ABE

De wikITA

Edição feita às 18h17min de 24 de julho de 2008 por 201.7.144.4 (disc)

Associação dos Burros Esforçados

Descrição histórica da fundação da ABE, feita por seu presidente vitalício Haroldo Luiz Rosa:

Eram 3h:20 min da manhã de um dia qualquer no H8 e mais uma tentativa infrutífera de entender o que estudávamos se desenrolava. Àquela altura da jornada, aprender o suficiente para um “errezinho menos” já estava de bom tamanho (seguindo a máxima de Eugênio Maria de não desperdiçar gagá). O Raul tentava entender uma passagem de um racional qualquer, que eu já havia desistido há muito. Eu só queria terminar de ler as cópias do caderno do Donizete e anotações minhas mal feitas, para “salvar alguma coisa…”. Insistíamos, é verdade; porém, à medida que as horas passavam, convencíamo-nos de nossa total incapacidade para entender o que nossos notáveis mestres esforçavam-se em ensinar. Em um determinado momento, paramos para refletir sobre a situação, na tentativa de arranjar desculpas ou justificativas para a “burrice”, e nada mais natural do que traçar comparações. Assim, começamos analisando o desempenho de alguns colegas e o seguinte diálogo (ou algo parecido) desenvolveu-se:

- … o Guy não! Ele não vale como referência… O cérebro dele “funciona digitalmente” (você não prestou atenção como é pequenino e veloz). Já o nosso é totalmente analógico.

- Que tal o Lucentão?

- Sei lá! Se eu tivesse metade das atividades extracurriculares que ele tem eu já teria sido desligado. Temos que imaginar um cara que se pareça com a gente…

- Tá bom, e o Winand?

- Pôrra, a tranqüilidade do cara é uma estupidez. Mesmo que ele não tenha estudado nada, ele arrumará uma forma de se virar (às vezes inspirado na Kripta).

- É, não adianta, não encontraremos explicações convincentes para o que acontece com a gente (isso depois de ter analisado o desempenho de pelo menos 30 “elementos”). Por outro lado, caso aconteça o pior (desligamento ou necessidade de trancamento), ninguém poderá nos acusar de “vagabundice”. Somos BURROS, PORÉM ESFORÇADOS!

- “Burro, porém esforçado” não deixa de ter o seu mérito e acho que devíamos buscar adeptos para esse grupo de indivíduos que não foram abençoados por Deus com inteligência extraordinária, mas são obstinados (além de pretensiosos).

- Uma boa maneira é criar uma Associação! A Associação dos Burros Esforçados. A partir desse momento, empreendemos a primeira ação no sentido de forjar tão nobre associação: a criação de um “logo”. É claro que não conseguíamos sequer esboçar um arranjo de letras e imagens que captassem a essência, as crenças, a missão, os princípios fundamentais daquela potencial agremiação. As horas passaram e os primeiros raios de sol despontaram. Mais uma noite em claro, baixo nível de aprendizado, mais um “I” ou “D” para o meu histórico escolar e Raul e eu às gargalhadas. Nesse momento surge o Baulé no meu quarto, curioso sobre o motivo de tantas risadas, pois encontravamonos às vésperas de uma daquelas provas. Mediante uma rápida descrição do que ocorrera, o Baulé sugere o irmão dele (que fazia arquitetura e desenhava bem) para desenvolver o “logo”. Discutimos durante poucos minutos sobre quais seriam as características básicas do “logo” e um único requisito para a criação surgiu: o burro tinha que ter a expressão de pretensioso. O irmão do Baulé desenvolveu de maneira genial todas as propostas (salvo engano eram três). Escolhemos aquela que todos conhecem e que nunca foi devidamente reproduzida.


Glossário

Ferramentas pessoais