AEITA Europa

De wikITA

A AEITA Europa é a regional da AEITA que busca reunir todos os iteanos que tenham vínculo com a Europa. Seus objetivos sao:

  • Integrar os iteanos que moram na Europa, promovendo encontros e trocas de idéias entre eles.
  • Cooperar com o ITA para o aperfeiçoamento deste através de:
    • Comparações entre o ITA e universidades européias.
    • Ideias que induzam acoes para ampliar a presenca e o reconhecimento do ITA na Europa.
  • Passar o bizu para outros iteanos que estejam procurando oportunidades na Europa.
  • (sugestões para outros objetivos? edite esta pagina!)


Tabela de conteúdo

Oportunidades na Europa

Oportunidades Acadêmicas na Europa

  • Study in Europe - Site que centraliza informações de oportunidades acadêmicas européias.

Graduação parcial na Europa

Cursos de línguas na Europa

  • Winterkurs - Curso de Alemao de Inverno com bolsa promovido pelo DAAD.

Mestrado na Europa

  • Mestrados Erasmus Mundus - Mestrados em universidades européias com bolsa de 42000 euros.
  • Mestrados Thales Academia - Bolsas de estudos para estudantes do 'BRIC' (Brasil, Rússia, Índia, China) fazerem mestrado na França.

Doutorado e PostDoc na Europa

  • Science-Jobs-De - Portal de ofertas de trabalhos relacionados a Ciência (principalmente bolsas de doutorado e postdoc) na Alemanha.
  • http://www.jobs.ac.uk/ - Portal de ofertas de trabalhos relacionados a Ciência (principalmente bolsas de doutorado e postdoc) no Reino Unido.

Colaborações do ITA com Universidades Européias

Projetos de Pesquisa Internacionais

(Listar aqui projetos de pesquisa envolvendo o ITA e universidades européias)

Colaborações Informais

(Listar aqui colaborações informais com universidades européias)

Possibilidades de "Funding" para Projetos de Cooperação com a Europa

(Listar aqui "funding agencies" que financiam projetos de pesquisa em cooperação com a Europa)

  • IRSES - Marie Curie International Research Staff Exchange Scheme.
  • UniBrAl e ProBrAl - Projetos de cooperação cientifica entre instituições Brasileiras e Alemas.
  • Programa FAPESP/INRIA - Projetos de cooperação entre instituições do estado de Sao Paulo e o Institut National de Recherche en Informatique et Automatique (INRIA), na França.

Oportunidades em Empresas

Estágios na Europa

  • Result - A empresa Result possui escritórios em várias cidades na Europa, e pode haver interesse mútuo com iteanos durante a CV ou após formatura para estágios. Interessados devem contactar Roberto Thiele (Tel: SP - (11) 3345-1040; Rio - (21) 2112-4939).
  • DLR (Centro Aeroespacial Alemão) - Alunos do último ano de Eletrônica do ITA podem fazer estágio numa das sedes do DLR na Alemanha, graças a contatos como do prof. David Fernandes. Esse estágio é suficientemente remunerado para custear as despesas normais dos alunos (aluguel da moradia, alimentação e transporte). Além disso, a passagem de avião e o seguro-saúde são custeados por entidades ligadas ao ITA, permitindo que o aluno possa optar por essa ótima oportunidade sem ter que pensar muito nos custos (é necessário se preparar para pagar as contas até receber o primeiro salário e o reembolso da passagem). Normalmente o período de estágio é de 6 meses (durante o primeiro semestre, de forma que o aluno se forma junto com sua turma original) a 1 ano (trancando a matrícula para formar-se no ano seguinte), dependendo do progresso e da vontade do aluno. Normalmente há vagas nas cidades de Braunschweig e (região metropolitana de) Munique.
  • TUHH (Universidade Técnica de Hamburgo - Alemanha) - também para alunos do último ano de Eletrônica do ITA. O responsável pelo contato é o prof. Kienitz. Tirando a diferença de cidade, o resto da descrição do DLR também se aplica.
  • IAESTE.
  • AIESEC.

Empregos na Europa

  • Embraer na França

Presença e Reconhecimento do ITA na Europa

  • O sistema educacional europeu exige apenas 180 créditos ECTS para cursos de nível "B.Sc." e 120 créditos para cursos de nível "M.Sc.". A graduação no ITA exige uma carga horária equivalente a 450 créditos ECTS. Apesar disso, há uma tendência a reconhecer o diploma do ITA como estando no mesmo nível de um B.Sc. europeu.
  • O ITA é totalmente desconhecido na Europa, o que contrasta com o enorme renome que ele tem no Brasil. Isso deixa iteanos em situação desvantajosa ao competir por bolsas européias de mestrado ou doutorado. Como possíveis causas para esse desconhecimento, podemos listar:
    • O ITA é relativamente pequeno.
    • Nao há nenhuma divulgacao internacional do ITA e até mesmo divulgacao passiva é negligenciada a ponto de comprometer a credibilidade. O website do ITA, por exemplo, simplesmente não existe em inglês, e mesmo em português ele é amador, com uma estrutura muito confusa e é praticamente impossível encontrar qualquer informação sobre pesquisa nele.
    • (adicione outras possíveis causas aqui)
  • O sistema de notas do ITA (D, I, R, B, MB, L), além de não ser muito natural, é incompatível com o sistema europeu (E, D, C, B, A). As notas de um iteano não são entendidas na Europa, e se alguém na Europa se der ao trabalho de converter, essa conversão será provavelmente desvantajosa para o iteano.

Sugestões para Melhoria

Sugestões para Melhoria do Reconhecimento Internacional do ITA

Apoio à Comissão de Viagens

Empresas que oferecem apoio ou visitas interessantes à CV

  • Result
    • Localização: escritórios e parceiros em Estocolmo (Sede), Paris, Madrid, Barcelona, Lisboa, Amsterdam, Antuérpia, Londres, Munique, Hannover, Helsinki,... Caso a CV tenha interesse em visitar algum escritório, os mais adequados são os de Estocolmo, Paris e Munique, nesta ordem. A Result pode também organizar visitas a alguns de seus clientes e parceiros. Contatos no Brasil com Roberto Thiele, AER-87, nos telefones (11) 3345-1040 ou (21) 2112-4939
  • Munique
    • DLR
    • Roland Berger
    • Siemens
  • Toulouse
    • Airbus

Comparações entre o ITA e Universidades Européias

Através de comparações entre o ITA e universidades européias, a AEITA Europa pretende prover informações relevantes para o aperfeiçoamento do ITA. As comparações contidas nessa seção são enviesadas contra o ITA, focando principalmente naqueles pontos em que o ITA nao é ideal e nos quais ele poderia aprender com a Europa. Certamente existem pontos em que o ITA é superior a muitas universidades européias, mas não há porque mencioná-los aqui. Alguns dos problemas discutidos abaixo também são mecionados de forma mais sistemática na página de Problemas do ITA e Soluções Propostas.

Currículo

Apesar de haver uma recente iniciativa de padronização dos currículos na Europa, o chamado Processo de Bologna, existe ainda uma grande diferença na estrutura dos cursos em diferentes países. Por exemplo na França, os alunos entram na universidade somente depois de cursarem o curso preparatoire, equivalente aos cursos do primeiros dois anos do ITA. Já no sistema português, os alunos entram na universidade num nível equivalente ao nível dos estudantes brasileiros que passam no vestibular. Semelhantes assimetrias occorem em outros países europeus, como na Alemanha, Inglaterra, etc. Contudo, podemos identificar alguns pontos em comum e resaltar algumas diferenças entres esses diversos sistemas e o método de ensino no ITA:

  • Carga horária - A carga horária do ITA, de cerca de 450 ECTS em cinco anos de curso, é bem superior ao que é proposto no processo de Bologna que é de somente 180 ECTS em tres anos de curso;
  • Flexibilidade de escolha de cursos - Com a exceção do último ano do ITA, os iteanos são obrigados a cursar a grade de cursos proposta pela universidade, não havendo a presença de nenhum curso optativo. No outro lado, os alunos europeus, desde os primeiros anos de curso, tem à sua diposição um conjunto de cursos oferecidos pelo departament, divididos em cursos optativos e mandatórios. Os cursos mandatórios são cursos de conhecimento básico os quais o aluno deve cursar antes da sua formatura. Os cursos optativos são geralmente, cursos avançados e mais específicos a um ramo do conhecimento, e.g., no caso da ciência da computação, networks, lógica, linguagens de programação, etc. Cabe ao aluno decidir quais cursos optativos que ele gostaria de cursar de acordo com os seus interesses. No final, o aluno se forma somente se ele cursou o mínimo de matérias exigido pelo departamento, geralmente contabilizado em horas-aulas, mais especificamente no caso do processo de Bologna é exigido um mínimo de 180 ECTS;
  • Duração e escopo de cursos - Na Alemanha e na Áustria, os cursos são normalmente mais curtos (em carga horária) e tem um escopo menor e um nome mais específico que reflete esse escopo e o conteúdo do curso com maior precisão. No ITA os cursos tendem a ser mais longos e, as vezes, agrupam conteúdos que são suficientemente independentes para serem ensinados separadamente. O agrupamento exige do curso um nome mais genérico, que não reflete o conteúdo do curso e conhecimento adquirido pelo aluno com precisão.
  • Flexibilidade do Currículo - No ITA, as grades de cursos oferecidas praticamente nao mudam de um ano para o outro. Somente no caso do último ano do curso, as vezes são oferecidos novos cursos que geralmente, podem ser aproveitados no programa de mestrado do ITA. Na Europa, devido a presença maior de cursos optativos, os professores são mais participativos no desenvolvimento de novos curriculos, propondo novos cursos, geralmente ligados a seus trabalhos atuais de pesquisa.
  • Avaliação do aluno - Para avaliar o aluno do ITA, professores usam duas a cinco provas escritas, e as vezes, parte da nota final está associada a realização de um projeto. Ainda não existe na Europa um consenso de como avaliar o aluno. Alguns países, como Portugal, usam sistemas parecidos com o brasileiro, mas ao invés de duas ou tres provas, os alunos são avaliados com um projeto e uma prova ao final do curso. Outros paises como a França e a Alemanha, avaliam os estudantes também com provas orais. Contudo, o número de provas exigidas num curso europeu parece bem inferior ao número de provas exigidas no ITA. Portanto, ao invés do aluno começar a ter uma ou duas provas semanais a partir da terceira ou da quarta semana de aula, como no ITA, os alunos europeus tem as suas provas somente no final do semestre.


Qualidade dos Cursos

Não existe ainda um estudo comparando, de uma forma cientifica, a qualidade de ensino do ITA e nas melhores universidades européias. Contudo, tomando em conta as experiências dos iteanos que cursaram universidades européias, podemos, mesmo de uma forma subjetiva, fazer uma comparação qualitativa.

  • Foco em Materias Relevantes - No ITA, especialmente nos primeiros dois anos, existe uma grande quantidade de cursos que nao sao diretamente nem indiretamente ligados ao curso de especializacao escolhido pelo aluno. Alem disso, como a grande maioria dos cursos nos primeiros dois anos sao mandatorios, o aluno do ITA é forcado a assistir a estes cursos. O mesmo nao occorre na Europa, onde a grade de cursos mandatorios focam somente em conhecimentos basicos na especializacao escolhida. É bem provavel que a grande diferenca na carga horarias no ensino do ITA e no ensino europeu (450 ECTS no ITA vs 180 ECTS no sistema europeu) seja uma consequencia desse exagero de cursos no curriculo iteano;
  • Atualizacao do Curriculo - Devido a participacao mais ativa dos professores europeus no curriculo, existe uma atualizacao maior e mais frequente dos cursos e materias oferecidas nas universidades europeias do que no curriculo do ITA. Apesar do ITA ser uma escola de engenharia, onde as tecnologias e tecnicas estao mudando mais intensamente do que nas ciencias basicas, é comum a presenca de cursos que nao mudaram em mais de uma decada;
  • Sobrecarga no Iteano - Devido ao numero de materias e o numero de provas exigidas para avaliar o iteano, existe uma sobrecarga no estudante brasileiro. E por isso, o iteano é forcado a recorrer frequentemente aos bizus, ao inves de amadurecer os conceitos basicos das materias oferecidas os quais exigem tempo e dedicacao. Ao ver o sistema europeu, podemos entender o porque do ITA haver esse sistema de bizus.

Pesquisa

  • Na Europa, os alunos costumam ter mais informacao sobre as pesquisas realizadas pelos professores.
  • TGs e teses na Europa costumam conter alguma contribuicao inovadora em ciencia ou tecnologia, ainda que pequena, e costumam ser parte de projetos de pesquisa maiores. No ITA (e no Brasil em geral), TGs que contenham apenas bostejos genéricos sobre um assunto qualquer costumam ser aceitos.

Abertura

  • Intercambio entre Universidades - Uma experiencia positiva na Europa é o intercambio (principalmente internacional) de estudantes entre universidades, que é bastante facilitada por programas como Erasmus.


Infra-Estrutura

  • Na Europa as universidades possuem "International Offices", que auxiliam seus alunos a aproveitarem oportunidades internacionais.
  • Em alguns países da Europa há alojamentos para estudantes. Um quarto individual de 15 a 30 m^2 e em bom estado de manutencao em um alojamento desses custa de 100 a 350 euros por mes. O quarto é individual. Banheiro e cozinha sao compartilhados com um pequeno número de outros estudantes. No H8, 6 iteanos sao colocados em um ape mal-conservado sem nenhuma privacidade e sem cozinha, que custa 6 x 50 reais.
  • InterNet rápida é disponibilizada aos alunos na Europa. No ITA, que é um instituto tecnológico, a InterNet é lenta e frequentemente nao funciona. O website principal do ITA fica frequentemente indisponível.

Contexto

O ITA está localizado no Brasil, e o Brasil proporciona um contexto diferente da Europa. Esta subsecao lista diferencas entre o Brasil e a Europa que possam ter alguma relacao com as diferencas entre o ITA e Universidades Européias:

  • Enquanto empresas na Europa estao ocupadas em inovar, empresas brasileiras (ou multinacionais europeias localizadas no Brasil) estao ocupadas em produzir o que foi inovado há algum tempo. Isso talvez tenha relacao com a defasagem de curriculo ou a falta de foco em pesquisa na graduacao do ITA.
  • No Brasil em geral é muito mais comum que os alunos, depois de formados, obtenham empregos nao-relacionados ao que estudaram na universidade. Isso cria uma indiferenca ao curriculo, tanto entre os alunos, como na sociedade em geral. E a universidade passa a funcionar apenas como um filtro baseado na dificuldade de seus vestibulares.

Sugestões para Melhorias

Iteanos Morando na Europa

Lista de Contatos

Segue abaixo uma lista incompleta de iteanos morando na Europa...

Nome Curso Turma Endereco Trabalho Informações Adicionais
Andresa Prata Cuginotti Mecanica 2002 Leiston, UK Summerhill School .
Augusto Cuginotti Eletronica 2001' Leiston, UK Summerhill School .
Augusto Langer Eletronica 2007 Basel, Suíça MT Robot AG .
Augusto Jose Faria de Oliveira Mecânica 2002 Bristol, UK Airbus UK .
Bruno Woltzenlogel Paleo Eletronica 2004 Vienna, Austria Technische Universität Wien .
Caio dos Santos Guimarães (Formiga) Aeronautica 2009 Toulouse, França Ensica - ISAE .
Daniel Cavalcante Nobre (Bilbo) Eletronica 2004' Stavanger, Norway Schlumberger, D&M .
Daniel Soares Gonçalves (Salsa) Mecânica 2007 Dundee, Scotland University of Dundee Research Assistant (Medical Engineering) and Msc Student
Fabrício Nascimento Ribeiro (Abelha) Aeronáutica 2006 Madrid, España Airbus Military
Francisco Cardoso de Medeiros Filho Eletronica 1975 Bruxelas, Belgica European Commission .
Gustavo Francisco Cabral (Cunhado) Mecânica 2006 Aachen, Germany Fraunhofer IPT Research Assistant and PhD Student
Lucas Cardoso Mathias Gomes Mecanica 2005 Madrid, Espanha Banco Santander
Luis Ferreira Pires Eletronica 1983 Hengelo, Holanda University of Twente Associate Professor .
Paulo Almeida - Caverna Infra-Estrutura Aeronautica1992' Paris, France Embraer Commercial Jets .
Paulo Rugani B Aeronáutica 1998 Turim, Itália Aces Aeronautica .
Renato Luis Garrido Cavalcante Eletronica 2002 Southampton, Inglaterra University of Southampton Research Fellow
Thiago Felipe Viana de Medeiros (Mané) Mecânica 2008' Toulouse, França SUPAERO
Vivek Nigam Eletronica 2003 Paris, France Ecole Polytechnique .
Bernardo Sampaio Computacao 2001 Oslo, Noruega Opera Software ASA

Mapa de Localizacao na Europa

No GoogleMaps há um mapa incompleto que mostra onde alguns iteanos moram na Europa. O mapa pode ser editado por qualquer um (desde que logado com uma conta do Google), e espera-se que cada iteano na Europa se adicione, se assim o quiser.


Vida na Europa

Cidadania Européia

Para a aquisição de cidadania, o segredo é fincar a sua bandeira por tempo suficiente no mesmo país até ganhar o direito de virar cidadão. O tempo mínimo varia de país para país. Possuir antepassados cidadãos reduz bastante o tempo mínimo, muitas vezes até para zero: direito de nascença (jus sanguinis).


Cidadania de Países Específicos

  • UK: tempo mínimo é igual a 5 anos, mas estão para mudar as regras, depois que todos os "novos europeus" (chegando dos países que viraram Europa recentemente) invadiram o país atrás de empregos e benefícios.
  • Espanha: tempo mínimo de dois anos para não descendentes e de um ano para descedentes de espanhóis (até terceira geração paterna ou materna). Para países latino-americanos permite-se dupla-nacionalidade. [Maiores Informações]

Dupla Nacionalidade

Quanto à permissão do governo brasileiro em relação a dupla nacionalidade, existem dois casos:

  • jus sanguinis: se voce tiver antepassados estrangeiros e tiver direito automático à cidadania, o Brasil permite sem restricoes.
  • se voce pedir cidadania estrangeira por ganhar o direito (tendo morado por x anos no país): o caso é mais complicado. Até 1994 voce teria que renunciar a nacionalidade brasileira (mas quem saberia se voce ficasse quieto???). Mas, de 1994 em diante, o governo brasileiro passou a aceitar este tipo de dupla cidadania, desde que sirva para garantir às pessoas uma vida no novo país sem as restricoes normalmente impostas ao estrangeiro. O motivo é que a grande maioria sempre pensa em retornar, mais cedo ou mais tarde, e assim algum iluminado em Brasília pensou por bem nao impor a esse pessoal todo o penoso processo para se tornar, novamente, cidadao brasileiro. Além do mais, a partir dos anos 90 a quantidade de brasileiros no exterior se multiplicou, e o governo quis dar boas vindas ao dinheiro que essa populacao envia de volta, sem muita burocracia. Atencao: alguns consulados insistem que se voce tiver que prestar juramento à nova pátria isso te desclassificaria à cidadania brasileira. Na dúvida, é bom contactar o consulado brasileiro mais próximo.

Cidadania de Filhos de Brasileiros Nascidos na Europa

[Constituição Federal, art. 12, inc. I - São considerados brasileiros natos:] c) os nascidos no estrangeiro de pai brasileiro ou de mãe brasileira, desde que sejam registrados em repartição brasileira competente ou venham a residir na República Federativa do Brasil e optem, em qualquer tempo, depois de atingida a maioridade, pela nacionalidade brasileira. Fonte

Os bebês nascidos em alguns países, como Espanha, têm direito automático à nacionalidade européia. Isso, entretanto, não dá nacionalidade aos pais.

Aposentadoria Após Trabalhar em Vários Países

Eventos

Próximos Eventos

Eventos Passados

  • Primeiro Sábado das Origens - Edição Européia foi em Barcelona em 24/04/2010

Veja os detalhes em Sábado das Origens na Europa

Breve História da AEITA Europa

Em 2006, Bruno Woltzenlogel Paleo (ELE-04) e Renatha Caldeira Barboza (ELE-05' ), então ambos em Dresden, tiveram a idéia de criar uma mailing list para os iteanos na Europa, a ITA-Europa. Em 2008, quando a lista já contava 68 membros, a AEITA (e, mais especificamente, José Antônio Puppim de Oliveira, Fernando Faria Coelho de Souza, Marcos Mattoso de Salles, Carlos Roberto Teixeira Netto, Francisco Medeiros e Tomás Edgard Ratzersdorf) propos a Bruno Woltzenlogel Paleo que fossem dados os primeiros passos para a criação da AEITA-Europa. E o primeiro passo foi a criação desta página wiki, com o apoio do Toni (INFRA-90).

Links Relevantes



Regionais da AEITA

Ferramentas pessoais