Amir Antônio Khair

De wikITA

1963
2009
No encontro do Orotur, Campos do Jordão, 2018
Do Estadão de 12/9/20
De valor.globo.com

Foi Secretário das Finanças da Prefeitura de São Paulo no governo de Luiza Erundina.

Foi um ativo colunista em assuntos de economia. Veja por exemplo seu artigo "Investimentos como motor do PIB: uma falsa saída" publicado na Carta Maior de 23/5/13, seção Economia.

Ver apresentação em ppt da palestra que ele deu para a T63 no encontro do Orotur, Campos do Jordão, 23/10/18.

Faleceu em 11/9/20.

Notícia copiada do valor.globo.com:

Faleceu nesta sexta-feira Amir Khair, ex-secretário de Finanças da Prefeitura de São Paulo durante a gestão de Luiza Erundina (1989-1992). A morte foi confirmada por um de seus dois filhos, Renato Khair. Aos 80 anos, Khair passou mal repentinamente. Ele também deixa dois netos.

Mestre em finanças públicas pela EAESP/FGV e especialista nas áreas fiscal e tributária, Khair defendia ajustes por meio de corte de gastos, mas com a preservação de programas sociais e a tributação sobre grandes fortunas. Além de São Paulo, ele prestou assessorias em gestão financeira nas prefeituras de Belo Horizonte, Salvador, Goiânia, Ipatinga,

A ex-prefeita e atual candidata pelo PSOL à prefeitura de São Paulo, Luiza Erundina, lamentou a morte de Khair em sua página no Facebook. “Perdi um irmão, um ser humano especial, um guerreiro. Vai deixar um vazio enorme, vai fazer muita falta à nossa luta”, escreveu.

No Twitter, o também candidato à prefeitura de São Paulo Jilmar Tatto (PT) rememorou ter trabalhado junto com o engenheiro na administração de Luiza Erundina e afirmou que Khair estava ajudando a formular seu plano de governo.

O deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) também lamentou a morte do economista. “Despeço-me de Amir Khair, grande economista que contribuiu enormemente para desbravar os conhecimentos em finanças públicas para alavancar políticas públicas. Foi um grande brasileiro”, disse.


Notícia do Estadão de 11/9/20, p. B8:

Morre Amir Khair, ex-secretário de Finanças de São Paulo

Economista, foi colunista do 'Estadão' de 2005 a 2017 e era mestre em Finanças Públicas pela FGV; morto aos 80 anos, Khair deixa dois filhos e dois netos

Mariana Hallal

SÃO PAULO - Morreu nesta sexta-feira, 11, o economista Amir Khair, aos 80 anos. Ele foi secretário de Finanças da cidade de São Paulo durante o mandato de Luiza Erundina (1989 - 1992). A informação foi confirmada por seu filho, Sérgio Khair. “Meu pai partiu dormindo. Ele era uma pessoa tranquila e partiu dessa mesma forma”, disse Sérgio. O economista não enfrentava nenhuma doença grave e mantinha isolamento social devido à pandemia de covid-19. Ele deixa dois filhos e dois netos.

O economista Amir Khair faleceu nesta sexta-feira, 11, aos 80 anos

Colunista do Estadão de 2005 a 2017, Khair era mestre em Finanças Públicas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Ele criou um sistema de acompanhamento de gestão fiscal para a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo ( Alesp ) e atuou como consultor fiscal, orçamentário e tributário. Também prestou assessoria em gestão financeira nas prefeituras de Belo Horizonte, Salvador, Goiânia, Ipatinga, Londrina, Angra dos Reis e Juiz de Fora.

O economista criticava muito o alto lucro dos bancos, como conta o filho Sérgio. “Ele tinha uma grande luta contra os juros e os lucros dos bancos”, diz. Nesta coluna que escreveu para o Estadão, Amir classifica as altas taxas de juros como uma barreira ao crescimento.

Outra característica do pai ressaltada por Sérgio era a vontade de repassar a informação e o conhecimento. “Ela gostava muito de falar com a imprensa. Não importava se era um veículo pequeno ou grande, a vontade de passar a informação era sempre idêntica.” Khair escreveu quatro livros e deixou mais dois encaminhados. “Vamos dar continuidade a esses livros para manter seu legado vivo”, garante o filho. Luiza Erundina e Guilherme Boulos, pré-candidato à prefeitura de São Paulo pelo PSOL, lamentaram a morte em suas redes sociais.

“Perdi um irmão, um ser humano especial, um guerreiro. Vai deixar um vazio enorme, vai fazer muita falta à nossa luta”, escreveu a deputada federal.

“Amir teve papel destacado como Secretário de Finanças do governo popular de Luiza Erundina”, disse Boulos.

Depoimentos de colegas

Jed, em 12/9/20

Fiquei sabendo da morte do amigo Amir. Fiquei triste e chocado.

Nos últimos dia tinha planejado escrever para ele para tentar me esclarecer como seria possível a taxação dos super-ricos fosse feita e as métricas envolvida nela de uma forma sistêmica... Triste coincidência.

Amigos desde os 11 anos estudamos no Santo Inacio e foi várias vezes à minha casa de praia em Araruama. Seguimos juntos para o Ita e fomos companheiros na JUC.

Depois ele se direcionou para a AP mantendo até hoje uma posição de esquerda coerente.

A vida nos afastou de um convívio direto mas não diminuiu minha admiração por ele. Há muito venho acompanhando seu canal Palavras do Amir, onde ele manteve sempre a calma e coerência.

Sei que Deus (apesar dele se dizer agnóstico, mas sempre mantendo um espírito inquieto e de procura da VERDADE), está recebendo seu espírito no Céu para lhe presentear com o descanso e paz eterna.

Por mim envio o abraço dos KRACS, sociedade que fundamos para estudar juntos sem cursinho o vestibular (Khair, Rodrigues, Alcure, Carvalho, Schöll)

Até breve, Amir.


Dalmir em 12/9/20:

O Amir de quem sempre me recordei por termos prenomes parecidos, foi um colega importante para mim porque tinha ideias claras de seus pontos de vista e era uma criatura afável, coisa difícil no pessoal da esquerda.

Deus o tenha em sua glória.

Nossa turma perde uma grande referência


Alcindo em 12/9/20

Colegas,

que notícia triste!

Meus pêsames à família.

Melhor lembrar dele nas coisas alegres da nossa vida do ITA. Como nos tempos da JUC (Juventude Universitária Católica). Às vezes fazíamos sábados de discussões e orações na pequena igreja da Vila Ema.

Naquele tempo, rua de terra. Hoje é a Capela do Menino Jesus de Praga, onde estão os restos mortais do Padre Rodolfo, na grande Igreja da Sagrada Família em S J dos Campos. Não tínhamos carro, só bicicletas... Lembro-me que uma vez, pedimos à mulher do Piva para levar nossa comida do H-13 para lá. Ela gentilmente levou na sua Kombi.

Amir era muito devoto de Nossa Senhora. Ela leva seus devotos no 1º sábado para o Céu. Deve estar com Ela num lugar especial...

Uma vez, no tempo da sua coluna do Estadão, perguntei a ele sobre os deficits da nossa Previdência Social. Ele não estava preocupado. Disse que era só nosso PIB crescer mais de 2% que o deficit sumiria. Isso foi antes da Reforma da Previdência...

Que Deus nos guarde e às nossas famílias nesta longa pandemia!


Renner (T61), em 12/9/20:

Faleceu Amir Khair, ELE-63.

Pessoa brilhante, nome pouco divulgado. Conheci-o como coordenador da Seção de Enquetes do CASD, que fazia o levantamento das opiniões e vidas nossas no ITA, antecipando assim o movimento de ‘pesquisas de opinião’, que surgiria muito depois.. Participei até de uma das reuniões, entre 1960-61, como presidente do Centro Acadêmico.

Segue, em anexo, a notícia do Estadão (ver acima), onde foi colunista. Atacava intransigentemente a má administração da economia, a nossa monstruosa dívida pública e os juros absurdamente altos da época, até que perdeu esse espaço na mídia.



Turma de 1963

Políticos Iteanos

Academia Iteana de Letras

Ferramentas pessoais