Eli Nunes

De wikITA

(Diferença entre revisões)
Linha 1: Linha 1:
-
<table>
+
<table width=800>
<tr>
<tr>
-
<td width=50>
+
<td width=20>
</td>
</td>
<td>
<td>
[[imagem:T63-Eli-futsal.jpg|200px|thumb|center|<center>Na equipe campeã de futsal, 1960</center>]]
[[imagem:T63-Eli-futsal.jpg|200px|thumb|center|<center>Na equipe campeã de futsal, 1960</center>]]
</td>
</td>
-
<td width=50>
+
<td width=20>
</td>
</td>
<td>
<td>
[[imagem:T63-Eli-1963.jpg|200px|thumb|center|<center>1963</center>]]
[[imagem:T63-Eli-1963.jpg|200px|thumb|center|<center>1963</center>]]
</td>
</td>
 +
</tr>
 +
</table>
-
<!--
+
<table width=800>
-
<td width=50>
+
<tr>
-
</td>
+
<td>
<td>
-
[[imagem:#######|290px|thumb|center|<center>No Jubileu, 11/2013</center>]]
+
<div align="justify">
-
</td>
+
-
-->
+
-
</tr>
+
=Crônica=
-
</table>
+
 +
<center><h3><b>Consciência negra</b></h3>20/11/19</center>
 +
Acordei pensando sobre como me comportei com negros ao longo de minha vida.
-
<div align="justify">
+
Nasci e cresci em Santos, dominada por imigrantes portugueses e espanhóis, preconceituosos, que verbalizavam o desprezo pelos negros.
 +
 
 +
Estudei em colégio católico, pago, inacessível a negros. Com incendio em parte da escola, fui completar o 3° cientifico num colégio publico, o Colégio Canadá. Na época, apenas o primário (atual Fundamental I) era acessível a todos; eram os "grupos escolares". Para o ginasial (atual Fundamental II) havia um exame "de admissão" para entrar em uma escola publica. OS NEGROS eram ASSIM ELIMINADOS, PELA TAL MERITOCRACIA.
 +
 
 +
E foi ali no Colégio Canadá que conheci o primeiro negro, o Luís. Segregado, vivia isolado nas horas de recreio. Por coincidência, um dia na saída, andamos lado a lado. Curioso, pergunte-lhe aonde ia.
 +
 
 +
- "Para o centro", respondeu-me. Eu ia para lá, como todos os dias.
 +
 
 +
- "Então vamos no mesmo bonde", disse-lhe.
 +
 
 +
- "Vou a pé", respondeu-me.
 +
 
 +
Condoído, dei-lhe um passe escolar. Não aceitou pois, como me disse, não tinha como devolver o passe. E assim passei a conversar quase todos os dias com o Luís.
 +
 
 +
Formei-me e tornei a encontrar o Luis anos depois. Abraçamo-nos.  Tornara-se funcionário da prefeitura, na área de saúde. Contei-lhe onde andava e ele convidou-me a tomar um café. Fomos até o CARIOCA, histórico bar de Santos.
 +
 
 +
Nunca mais o vi.
</div>
</div>
 +
</td>
 +
</tr>
 +
</table>
----
----
[[Turma de 1963]]
[[Turma de 1963]]

Edição de 10h59min de 21 de novembro de 2019

Na equipe campeã de futsal, 1960
1963

Crônica

Consciência negra

20/11/19

Acordei pensando sobre como me comportei com negros ao longo de minha vida.

Nasci e cresci em Santos, dominada por imigrantes portugueses e espanhóis, preconceituosos, que verbalizavam o desprezo pelos negros.

Estudei em colégio católico, pago, inacessível a negros. Com incendio em parte da escola, fui completar o 3° cientifico num colégio publico, o Colégio Canadá. Na época, apenas o primário (atual Fundamental I) era acessível a todos; eram os "grupos escolares". Para o ginasial (atual Fundamental II) havia um exame "de admissão" para entrar em uma escola publica. OS NEGROS eram ASSIM ELIMINADOS, PELA TAL MERITOCRACIA.

E foi ali no Colégio Canadá que conheci o primeiro negro, o Luís. Segregado, vivia isolado nas horas de recreio. Por coincidência, um dia na saída, andamos lado a lado. Curioso, pergunte-lhe aonde ia.

- "Para o centro", respondeu-me. Eu ia para lá, como todos os dias.

- "Então vamos no mesmo bonde", disse-lhe.

- "Vou a pé", respondeu-me.

Condoído, dei-lhe um passe escolar. Não aceitou pois, como me disse, não tinha como devolver o passe. E assim passei a conversar quase todos os dias com o Luís.

Formei-me e tornei a encontrar o Luis anos depois. Abraçamo-nos. Tornara-se funcionário da prefeitura, na área de saúde. Contei-lhe onde andava e ele convidou-me a tomar um café. Fomos até o CARIOCA, histórico bar de Santos.

Nunca mais o vi.


Turma de 1963

Ferramentas pessoais