Encontros Realizados pela AEITA São José dos Campos e Região

De wikITA

Tabela de conteúdo

Os Desafios da Adoção no Brasil em 03/04/09

A Regional AEITA SJCampos e a Diretoria de Ação Social da ADC Embraer realizaram a seguinte palestra:


Tema: Os Desafios da Adoção no Brasil

Palestrante: Fernando Freire, Psicólogo (PUC-RJ), consultor nacional e internacional de assuntos sobre adoção

Data: 03 de abril de 2009

Horário: Chegada das pessoas a partir das 19:00, com pequeno coquetel. A palestra inicia-se às 19:30.

Local: O mesmo de sempre.

Contribuição recolhida no local: R$15,00 visando a cobertura exclusiva das despesas do evento.


Um pouco sobre o nosso palestrante:

  • Coordenador do 14o ENAPA - Encontro Nacional dos Grupos de Apoio à Adoção, que ocorrerá entre os dias 22 e 25 de maio deste 2009 na cidade de São Paulo- SP. Membro da Comissão Organizadora destes anuais encontros desde 1996.
  • Consultor de entidades nacionais e internacionais: UNICEF/Haiti; Serviço Social Internacional/SSI – Genebra; Instituto Interamericano Del Niño. Montevideu/Uruguai; Secretaria Nacional de la Niñez y la Adolescencia. Assunção/Paraguai; Instituto Mercosur Social. Buenos Aires/Argentina; Santa Casa de Misericordia. Lisboa/Portugal; Nuovi Orizonti per Vivere l’Adozione/NOVA. Torino/Italia; Terre des hommes/Mozambique; Kusi Warma. Lima/Peru.
  • Conferencista e debatedor em diversos seminários e encontros nacionais e internacionais com participação da sociedade civil e de representantes do Poder Judiciário, Ministério Público, Conselhos de Direitos da Criança e do Adolescente, Conselhos Tutelares e Universidades.
  • Tem artigos publicados em diversas revistas e jornais, no Brasil e no Exterior, além de colaborar com diversos veículos de comunicação em assuntos relacionados à adoção (Rede Globo de Televisão, SBT, Rádio Bandeirantes, TV Gazeta, TVE/Rio de Janeiro, TV Cultura/São Paulo, Rede Vida de Televisão, Jornal Estado de São Paulo, Jornal Estado de Minas, Revista Veja, Revista Claudia, dentre outros).

Tópicos a serem abordados na palestra:

  • A Adoção. Do desejo dos candidatos ao direito da criança. A construção das adoções necessários
  • Desejar um filho ou, Necessitar de uma Criança?
  • Alguns aspectos da situação atual das crianças e adolescentes abrigados no Brasil.
  • O Direito à Convivência Familiar e Comunitária, na Constituição Federal, no Estatuto da Criança e do Adolescente e no Plano Nacional pela Convivência Familiar e Comunitária.
  • Os atores do processo de adoção: mãe e pai biológicos, criança, candidatos, juizes, promotores, responsáveis por abrigos, conselhos de direitos...
  • As adoções "especiais": tardias, inter-raciais, de grupos de irmãos, de crianças com necessidades específicas.
  • Os grupos de apoio à Adoção no Brasil
  • A adoção no mundo (alguns aspectos)

Fernando Freire acredita no potencial humanizante da adoção, na sua função social como um dos recursos possíveis para a proteção, defesa e garantia do direito fundamental de crianças e adolescentes à convivência familiar e comunitária, ao mesmo tempo em que reconhece as imperfeições e as limitações de sua aplicação em nosso país.

Reitor do ITA em 28/11/08


A história e a revolução administrativa do ITA

Segue relato do encontro feito pelo Fernando Faria Coelho de Souza (T59) Presidente da AEITA.

Recepção

Chegamos eu e O Culpado, também conhecido como Tomás, à Casa do Jovem. Gentilmente cedida pelo Sidney Lage Nogueira, T 74.

Vemos um ônibus que chega junto conosco. O motorista do ônibus, que é tamanho grande, é o Sidney! Os transportados, bixos, trazidos do H8 para a reunião.

Onde iremos parar, o Vice Presidente da AEITA é o motorista dos bixos!

Inusitado parece, mais ainda quando se vê o sorriso estampado no rosto do Sidney e o sorriso botox, sem rugas, dos bixos. Cena bonita com uma enorme falha: não fotografamos.

Vemos os bixos caminhando para o local da reunião, uns vinte ?, vê-los e vê-la, pois há uma graduanda, bixete (?) me lembra frescor, viço, coisa boa, juventude. (Um pouco de saudade daqueles tempos também.)

Alguns com camiseta da AASD. Estão lá e ajudarão na recepção, anotando os nomes, colhendo a contribuição de R$15,00 para o salgadinho de entrada.

A graduanda Flor, Cláudia (?), T11, do CASDVest vem falar comigo. Já a vira antes. Está ali representando e fazendo o marketing do CASDVest!

São desenvoltos. Como comenta depois o Tomas, o O Culpado, precisamos aprender com eles como obter patrocínio como conseguiram para o Reúnes.

Outro sorriso botox, sem rugas, comenta que o Reúnes foi um sucesso.

Não se fazem mais bixos como antigamente!


Aguardando a reunião

O Sadock já está a postos. Começam a chegar os participantes. O Reitor é dos primeiros a chegar. Chico Galvão da minha turma e o Miguel Henze, da 62, conversamos. Alguns já vi antes. Forma-se o burburinho: coisa saudável. Muitos se sentam.

Chegam os salgadinhos e refrigerantes.

Como velocidade enorme, os bixos, nós ajudando com alguma parcimônia, acabam com os salgadinhos. Gente, foi muito rápido!

Toni, da T90, está lá montando a parafernália para a transmissão online da apresentação. Fico impressionado com a velocidade com que sai testando e a ajuda e conhecimento que também o Sadock parece ter.

Alguns impropérios e a coisa fica pronta. Coisa e parafernália traduzem bem meu conhecimento e intimidade com a tecnologia!

A apresentação

Coisa de 19h30min o Reitor começa sua apresentação.

Não tenho ainda o PowerPoint que o Reitor usou. Farei com as anotações que fiz.

(A esposa do Sidney gentilmente me cedeu um caderno para anotar. Gente boa, esta família.)

Tenho apreço especial pelo Reitor. Aumentou minha admiração quando diz que ali está para dar apoio à Regional e à AEITA. Sujeito maravilha!

Baseará sua exposição expondo as quatro fases pelas quais passou o ITA.

  1. Aprender a aprender
  2. Aprender a fazer
  3. Ensinar a fazer
  4. Fazer com parcerias
  5. Depois comentará o futuro do ITA.


Das anotações vou descrevendo. Possivelmente não serei preciso. Os que compareceram e lerem este relato, poderiam criticá-lo e dar suas impressões. Sugiro encaminhar ao Sadock e ele poderá colocar estas impressões no site da AEITA SJC. Documentar-se-ia a história da Regional SJC da AEITA.

(Aos iteanos em geral, sugiro que façam um comparativo das quatro fases de desenvolvimento do ITA, com as quatro fases da formação da indústria aeronáutica da China e as fases de desenvolvimento da Embraer. Tantas cabeças brilhantes que temos e que tanto bostejam de forma complexamente simples, com linearidade parabólica e expondo toda sua arrogância intelectual, poderiam contribuir para as relações biunívocas entre o desenvolvimento, com equações diferencias muito simples, comparativas das fases de desenvolvimento do ITA, da indústria aeronáutica chinesa e a Embraer. Quem sabe poderia dar uma tese de mestrado, um TG, uma de doutorado sobre um modelo de desenvolvimento sustentável de uma indústria, escola e que mais.

Para humildemente contribuir com tal, acrescento minhas observações simples sobre tal magno empreendimento ao final.)


A primeira fase vai de 1950 a 1965.

Os quatro primeiros reitores são americanos. Estamos aprendendo. O primeiro reitor brasileiro é o Cecchini.

O ITA faz história pelo que traz de inovação. Pela lei de sua constituição com singelos quatro parágrafos. Lei 2.165 Dispõe sobre o ensino superior no ITA

O Reitor sublinha alguns pontos. Observa que é de educação e ensino. Profissionais de nível superior e já fala em extensão universitária, de pós-graduação e de doutorado.

Montenegro diz em discurso que o ITA quer formar cidadãos conscientes além de técnicos. E o ITA tem acompanhado isto.

Não está subordinada ao MEC. Tem liberdade em definir o currículo de seus cursos. Os tem mudado, criando novos. A cada ano revê o currículo dos cursos. E não entra em certas áreas porque não está em suas atribuições. Coloquei em negrito na lei 2.165, acima.

Cria-se o IPD Instituto de Pesquisas e Desenvolvimento em dezembro de 1953. Projeta-se um avião de decolagem vertical. Não foi bem sucedido. Inclusive não tínhamos os motores/turbinas que talvez permitissem o sucesso. Projeta-se um helicóptero, o Beija-flor, que voa. São construídos dois, há um acidente e o projeto é abandonado. Diria que estamos na fase "capability" do processo chinês de desenvolvimento de uma indústria. Quem tiver saco, veja os artigos abaixo.

O ITA aprendeu e se preparou para a fase seguinte

A segunda fase vai de 1966 a 1990, o aprender a fazer.

Diria que estamos na fase "collaborate" do processo chinês de desenvolvimento de uma indústria. É reitor o iteano Cel. Paulo Victor da Silva, T53, de 1965 a 1973. É figura muito forte e projeta o ITA. Traz personalidades para visitar e aprovar seus sonhos. Consegue muitos. É quando surgem a Avibrás, uma empresa de eletrônica para auxílio á navegação, é criado o Instituto de Atividades Espaciais, 1969, e por aí vai.

O Reitor Reginaldo cita os nomes dos pioneiros desta fase, e lembro-me de dois nomes, o Francisco Leme Galvão T59 e Miguel Henze T62, que estavam na reunião. Os bixos puderam ver lendas vivas, como comentaria comigo o Tomás Edgard Ratzersdorf, o O Culpado.

O embrião da Embraer está em gestação. Nasce forte e sobreviverá.

A formação de recursos humanos estará presente em toda a vida do ITA. Alguns cursos serão criados para atender às necessidades do país, sempre em concordância com o que é o ITA.

A terceira fase vai de 1990 a 2004, o ensinar a fazer.

Diria que estamos na fase "competitor" do processo chinês de desenvolvimento de uma indústria.

A FCMF é um dos braços que permite ao ITA prestar serviços, ensinar a indústria a fazer. FCMF é de 21/12/1990 criada pela iniciativa da AEITA. Até hoje é conduzida por iteanos que dedicam seu tempo e esforço sem remuneração.

A lei 8958 de 1994 facilita as coisas. Também surgem os fundos setoriais que arrecada $$$ e os repassa. O governo repassa cerca de 50% e embolsa o resto!

São inúmeros os projetos em que o ITA atua. Este grande número é difícil de administrar. O ITA e FCMF passam a procurar projetos maiores e em menor número.

Não consegui anotar os projetos. Vejam a apresentação do Reitor, quando disponível.

O ITA aprendeu a aprender, aprendeu a fazer, ensinou a fazer e está pronto para fazer com parcerias.

A quarta fase vai de 2004 aos dias atuais, fazer com parcerias.

Diria que estamos na fase "component" do processo chinês de desenvolvimento de uma indústria.

A lei de inovação é novo marco. Quem quiser pode vê-la em: [[1]]

Estabelece-se um ambiente de cooperação entre os institutos de pesquisa e a iniciativa privada. Há a geração de produtos e processos inovadores. O ITA é muito atuante. Assistam ao vídeo da apresentação do Reitor.

Minha vaga lembrança não consegue trazer os vários projetos.

O Reitor fala do futuro e dos desafios.

Tem o ITA desafios em cinco áreas principais:

Aeronáutica, Espaço, Energia, Defesa e Outras.

Gostei de lâmina que coloca os desafios de outro ângulo:

  • Engenharia Espacial
  • Fortalecimento da Pós-Graduação
  • Criação de Fundos para sustentação da Instituição
  • Suporte a indústria nacional em seus novos desafios
  • Diplomação dupla com escolas estrangeiras

Vou listar alguns projetos que estão andando.

Projetos com a Embraer em definir qual será o futuro que enfrentará. Os projetos VANT Veículos Aéreos Não Tripulados.

Turbinas para propulsão de objetos voadores e para geração de energia. Trabalha intensamente com a AEB Agência Espacial Brasileira / INPE / IAE Instituto de Atividades Espaciais (?). Um dos projetos é ITASAT. Trabalha no SARA, satélite de reentrada e foguetes, para colocar os satélites lá em cima. Tem projetos na área de energia eólica e turbinas a gás para Petrobrás e Vale. O golpe de mestre do Brigadeiro Venâncio que trouxe o Lula para ver a nossa turbina. Já começa a dar frutos. Ministérios e Petrobrás virão ao ITA/CTA. Há projetos na Casa Civil e FINEP estimulados pelo Presidente. Há o projeto com protótipo de carro elétrico já pronto e com desenvolvimento em bateria e motor elétrico.

Paro por aqui sobre a apresentação. Vejam-na. Acho que todo iteano deve ter esta tarefa como obrigação. Basta que o Toni e Sadock, voluntários, que dedicam parte de seu tempo e competência para organizar e documentar os eventos, consigam fazê-lo. Tenho enorme apreço e admiração por estes dois iteanos que ajudam os iteanos. Ou, pelo menos, querem ajudá-los.


Comentários finais sobre a reunião.

Memorável pelo ônibus trazendo bixos.

Pela transmissão online do evento. Certa hora tinha assistente do Japão e EUA. Chegou a ter oito assistentes ao mesmo tempo. Comunicavam-se enviando mensagens. Seu que meu Tacape, o Pedro John estava assistindo e o Teixeira também. A esposa do Tomás assistiu e gostou.

Às 21h30min o Sadock teve que encerrar a reunião.

As pessoas estavam com olhar fixo e atento. Os bixos comportadíssimos até o final.Houve um bom número de depoimentos contando coisas positivas sobre o ITA.

O Ricardo Correa, iteano, Presidente da FCMF, estava lá e deu várias explicações e depoimentos sobre a FCMF. Nas perguntas, o Reitor e ele se revezavam nas respostas. Senti uma reunião da AEITA onde presentes o ITA, Reitor e FCMF, seu Presidente. (Sugiro que as regionais convidem o Ricardo Correa para contar um pouco do que faz a FCMF e como tem sido um bom apoio para o ITA.)

O meu Tacape, o Pedro John comentou que a apresentação do Reitor no Sábado das Origens foi magnífica! Copio o Pedrão e é como diria que esteve o Reitor: magnífico.

Digo ainda que nas respostas externou depoimentos com um saudável e comedido orgulho de ser iteano. Fiquei muito orgulhoso de ser iteano.

Mostra o quanto o ITA com número pequeno de pessoas, 337 sendo 157 docentes realiza tanto.

Opinião pessoal

Fiquei impressionado como o ITA está atuante, vibrante, inovador. Tive orgulho do número de iteanos que já foram reitores. Tive orgulho de ver uma concepção do ITA sendo seguida. Tive enorme satisfação de ver um Reitor que sabe o que precisa ser feito e tem plena consciência dos desafios que tem a frente. Sonha sim mas com os pés no chão. Vislumbrei o projeto de ampliação do ITA sendo construído um novo alojamento para os alunos e o H8 indo para a pós. Um novo CPOR. Melhorias nas salas, na Biblioteca e por ai vai.

Repetindo o bordão: saí mais rico. Quem não foi perdeu. E perdeu muito.

Aos de SJC, cito Sadock, Sidney e Toni, o meu muito obrigado pelo que mostraram que iteanos podem fazer.

Filmes e fotos

Fotos Palestra Reginaldo dos Santos

Filme Palestra Reginaldo dos Santos


Fernando Coelho T59


Rogério Passos T93 em 10/10/08


Tema: As Oportunidades do Mercado Financeiro - um enfoque científico

Empresa: Operação Consultoria

Do Rogério: O enfoque que damos ao problema pode ser considerado como um enfoque "de engenharia". Longe de adotar uma metodologia quase "mística" (como parece ser a coqueluche atual entre os instrutores do assunto), procuramos nos ater a sólidas bases matemáticas e estatísticas. Na minha opinião, nada poderia ser mais adequado a uma audiência composta por ex-alunos do ITA. : ) Nossa empresa é especializada em treinamento neste ramo e teremos imenso prazer em ministrar essa palestra aos colegas da AEITA São José dos Campos

Tópicos

  • Os Investimentos Pessoais
    • Teoria da Conquista da Riqueza
    • Mercado Financeiro
  • Operação no Mercado de Renda Variável
    • Análise Técnica x Análise Fundamentalista
    • Conceitos introdutórios sobre AT
      • A pergunta que não quer calar: a AT funciona?
  • Sistema de Operação e Gerenciamento Adequado do Risco
  • Modelamento, Análise e Validação Estatística
  • O que esperar do mercado?
    • Buy&Hold vs Operação
    • Alinhando as expectativas
  • Como me aprofundar no assunto?

Um pouco mais sobre o Rogério Passos (T93)...

  • Sócio-Diretor da OperAção Consultoria e Treinamento em Mercado de Capitais;
  • Credenciado pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) como Agente Autônomo de Investimentos
  • Formado em Engenharia Eletrônica pelo ITA (1993)
  • Pós-Graduado em Administração e Marketing pela ESPM (1997)
  • MBA em Gestão Empresarial pela FGV (2000)
  • MBA em Finanças Empresariais pela FGV (2001)
  • 14 anos de atuação junto a empresas multinacionais (como CelPlan, Motorola, Alcatel-Lucent e Daitan Labs), tendo ocupado diversos cargos gerenciais e executivos
  • Larga experiência em atuação internacional (EUA, América do Sul, Europa e Ásia)
  • Atua profissionalmente no mercado de capitais desde 2001

Filmes e fotos

Fotos Palestra Rogério Passos


Eng. Satoshi Yokota em 05/08/08


1) Tema: EMBRAER - uma visão da recuperação e consolidação

Por: Eng. Satoshi Yokota, Vice Presidente Executivo de Planejamento Estratégico e Desenvolvimento Tecnológico da EMBRAER

2) Onde e quando ocorreu:

Local: Rua Maria da Conceição C. Monteiro, 373 (Condomínio de chácara do Urbanova, em frente à padaria Tentação) - CASA DO JOVEM, a "Casa do Sidney"

Breve Relato do Evento

Caros e caras,

Neste dia 05 de agosto ocorreu um novo encontro (com mais de 70 pessoas!) dos iteanos que residem, trabalham ou estavam de passagem pelas proximidades de SJCampos. Lá estiveram presentes iteanos de todas as gerações, décadas de 50, 60, 70, 80 , 90 e as deste milênio, dos mais Augustos Veteranos até alunos que sonham em se tornar Engenheiros, teve representante do CASD Vestibulares, da ITA Jr e do CASD (Centro Acadêmico). Muitos colegas conhecidos e reconhecidos lá estiveram, o aconchegante local ficou cheio de amigos que não estavam na lista de confirmados, pontos para nosso palestrante. Creio que quem veio de mais longe foi Vossa Excelência, o Veterano Presidente da AEITA, Fernando Coelho (T59). Até oportunidades de negócios foram conversadas.

A lista dos presentes pode ser vista logo abaixo.

No início de sua conversa, o Satoshi (T64), que esteve presente ao primeiro encontro, com o Carlos Afonso Nobre, disse estar feliz quanto à iniciativa e que estava dando sua parcela de contribuição para que a Regional AEITA SJC deslanche! E asseguro que esta foi muito significativa e o agradecemos pelos momentos. Ele nos contou muito mais do que a história da Embraer, vimos a história da aviação brasileira, deste o Convertiplano estudado no CTA, passando pelo projeto do helicóptero Beija-flor, o programa Bandeirante, a fundação da EMBRAER ... afinal, cerificar, produzir e serializar eram desafios maiores do que os protótipos que já eram desenvolvidos em competentes institutos de pesquisa da Aeronáutica. Já enquanto Estatal, um dos sucessos de vendas foi o EMB 110 Bandeirante, na casa das 500 unidades vendidas e também o EMB 120 Brasília, primeira aeronave Part 25, com mais de 350. Privatizada tem a família 145 com mais de 1000 e mais recentemente os pequenos jatos executivos Phenom 100 e Phenom 300 que, apesar de ainda não ter entrado em serviço, já possuem títulos de inovação tecnológica, cerca de 800 unidades vendidas, e tem Engenheiro do ITA por lá.

Desde 2000, pouco mais de 150 Engenheiros recém formados do ITA ingressaram na Embraer, e não entrou mais gente porque não quis! Atualmente a Embraer investe anualmente em P&D centenas de milhões de dólares anuais (CFD, compósitos, ligas novas, combustíveis alternativos, simulação, ... só para citar alguns dos vários exemplos), valor que há alguns anos era toda a sua receita anual, nos críticos momentos da década de 90. Aliás, nesse período muitos "players" do mercado simplesmente desapareceram. Contou também sobre o sério e bem sucedido PEE - Programa de Especialização em Engenharia, de 1600 horas-aula, criado e conduzido pelo Sidney, VP da AEITA. A entregar, hoje, são mais de US$ 20 Bi em aeronaves e temos mais de 3800 engenheiros para desenvolver, em paralelo, 5 ou 6 novos programas, fato ímpar na aviação mundial.

Agadecimentos especiais ao Sidney, T74, ao Fernando Coelho, T59, ao Toni, T90, que filmou o evento e tirou fotos que já estão na wikITA, e também as meninas da AEITA. Este só foi possível com a soma de esforços.

Relato do Fernando Coelho T59

Foi o relato mais adiado que fiz até hoje!

Toda vez que vou escrever, observo e anoto pontos e palavras chaves. Depois junto as minhas lembranças e sai o relato.

Comecei assim e o Satoshi me destruiu! Cada lâmina de sua apresentação via seguida de um seu relato curto, sintético, bem coordenado em cima da lâmina. E de forma muito agradável. Quis prestar atenção e as palavras chaves, ao espaço se foram! A minha memória teve que registrar, as anotações deixaram de existir. E minha memória hoje é mais para vaga lembrança.

O local da reunião, gentilmente oferecido pelo Sidney, é excepcional. A beira de riacho, cercado de verde, silencioso. Tem jardim.

Sidney, e depois sua esposa, deram-nos acolhida com calor humano. As três secretárias da AEITA apoiando o evento com crachás simples que surtem o efeito desejado: você sabe o nome da pessoa, iteano ou não. O Sadock presente como coordenador da Regional, fazendo parte da recepção.

Veteranos e bixos. E bixetes. E do CasdVest. Bom vê-los, presentes e participando. SJC tem esta grande possibilidade.

Bom ver o Hirata e o Homero, Pós e ex-Pós. Nutro especial admiração pelos dois. O meu xará, o Sakane, não estava: tem apoiado de forma excelente projetos de alunos. O ITA tem gente ótima em sua reitoria.


O Satoshi começa dando-me imensa alegria: está ali para apoiar a AEITA porque é uma vergonha que não exista uma regional de SJC! Sinto nosso esforço de criar a Regional SJC recompensado. Comenta que tem gente de 59 a 11. Incluo-me nos primeiros!!!!!!

Faz um relato precioso do ITA, de sua concepção e influência na indústria aeronáutica brasileira. Comenta a visão de oficiais da FAB, a reação de muitos.

O que me marca é que toda sua apresentação durou menos de uma hora. Admirável poder de síntese. E de explanação. (O Reitor comenta que o Satoshi dá nó em pingo dágua. Concordo.)

Duas perguntas, após a apresentação, marcam-me: quem dá os nomes para os aviões e o índice de nacionalização dos aviões da Embraer.

Os nomes são sugeridos e escolhidos por empresa especializada. Operando de forma global, não querem nomes que podem ser inadequados em certas regiões. Globalização é isso.

A nacionalização no projeto e sua concepção é 100% Embraer. Mas o que fabricar ou não, é decisão econômica. Pode ser local, própria, de terceiros, importado e por aí vai. Fala do domínio da tecnologia e da globalização. Que beleza de síntese!

O relato foi gravado. Recomendo que o vejam. E permito-me uma sugestão. Conta a história da Aeronáutica, da Embraer e da indústria aeronáutica brasileira.

Observem que a cada lâmina ou avião mostra o que foi conquistado, como foram adquirindo experiência e tecnologia. É uma construção por degraus.

Comenta o papel importante de muitos. Notei como o Ozires foi figura chave em vários momentos.

Mostra a oportunidade que o mercado americano oferece quando deixa de ser estritamente regulado. Neste momento o Brasil tem o avião adequado. Acho que foi o Bandeirante.

Conta o advento do avião pressurizado, Brasília. Mostra o que foi necessário aprender.

A parceria com a italiana Macchi (?) ensina o que é sair de projeto para linha de montagem, catalogação, design, ferramental.

É engenheiro. Mostra que há erro e acerto. E aprendizado. Que há o pesquisador e o engenheiro. Que uma indústria depende de todos.

Mostra a consolidação da indústria aeronáutica atual com os principais participantes. A Embraer é um deles.

Mostra que não estão deitados em berço esplêndido. Têm clara noção que a ascensão que tiveram roubando mercado de outros pode acontecer de novo, agora com eles se não estiverem antenados e preparados. Há investimento em técnicas e processos. Em gente e engenheiros. Não estão dormindo, estão se preparando.

Quem não assistiu, perdeu. Acho que perdeu muito.

Poucas vezes assisti a uma apresentação tão concisa e precisa do que é engenharia e indústria. Saí muito mais rico em conhecimento.

A palestra foi gravada, ainda não a recebi. Recomendo que vejam.

De novo, reuniões da AEITA têm sido excelentes, no Rio e agora SJC. Não estive em outras Regionais, ainda. Pretendo estar presente, quando convidado e tendo disponibilidade.

Gosto de ver as pessoas, da mistura de aptidões, das diferenças de idade. Gosto de ser iteano.

Até a próxima.

Fernando Coelho T59

Filmes e fotos

Fotos Palestra Satoshi Yokota

Filme Palestra Satoshi Yokota

Lista de presença

Foram 73 participantes. Os números indicados (+ N) representa o número de convidados que levou.

NOME Turma
Fernando Faria Coelho de Souza 59
Francisco Leme Galvão 59
Tomás Edgard Ratzersdorf + 1 59
Walter dos Santos 61
Satoshi Yokota + 2 64
Sérgio Antônio dos Reis Vale + 1 64
Abel de Lima Nepomuceno 68
José Eduardo Valentim Fassi 69
Carlos Alberto de Moura 69
Sérgio Benedito Guido 70
Armando Riuti Itagaki 73
Flávio José Galdieri 73
Sidney Lage Nogueira 74
Alfredo Lutke 74
Décio Coelho Pullin 74
Khaled Sarout + 1 74
Shunsuke Ishikawa 75
Homero Santiago Maciel 76
Jânio Kono 76
Marcus Antonius Andrade Siqueira 76
Rodolfo Costa Filho + 1 76
Aguinaldo Mendes da Silva 77
Wilson Guimarães Cavalcanti 77
Jorge Ramos de Oliveira Júnior 81
Celso Massaki Hirata 82
Graco Tognozzi Lopes + 1 84
José Carlos Ogliari Pinto 85
Wilney Marcos Muniz Menezes 86
Francisco Haroldo 86
Carlos Henrique Berto 87
Antônio Magno Lima Espeschit - Toni 90
Paulo Marcos Santo de Almeida (Caverna) 92
Henry Cristian de Oliveira 97
Ayslan Anholon 99
Marcelo Frings  ??
Pedro Haruo Takahashi 00
Flávio Henrique Perin Alves 01
Marcelo Castañon de Mattos Mayall 01
Guilherme Motta Assis de Lacerda + 1 02
Marcelo Soares Leão 02
Marcos Fabio L Lima 03
Mariana Sá Barreto dos Santos 03
Christiano Sadock de Freitas 04
Mailema Celestino dos Santos 04
Rolando Antônio Corradini Neto 04
Ronaldo Carvalho Moura Júnior 04
Luigi Spacino Scarminio 05
Eduardo Koichi Kurotsu 06
Fabrício Nascimento Ribeiro 06
Guilherme dos Santos Macedo 06
Danilo Mayer Oliveira 07
José Rui Simons Godoy 07
Felipe Oliveira da Mata 08
Vítor Gonçalves da Silva Caldeira Loureiro 08
Lucas Andrade Gomes Silveira 09
Bruno Torido Serra Valente Pinky 10
Caio Vinícius Silva Braz 11
Arthur Rodrigues de Oliveira Sobral 11
Bruno Barcellos Polido 11
Caio Ishizaka Costa Inox 11
Camila Sardeto Deolindo (CASD) 11
Cláudia Laine Adão (CASD) 11
Gustavo Souza de Lacerda (CASD) 12
Lucas Brianez Fontoura (CASD) 12
Thiago Freire Feijão Moreira (CASD) 12

Eng. Carlos Afonso Nobre em 10/06/08


Este foi o primeiro encontro da Regional São José dos Campos e Vale do Paraíba!

1) Tema: Mudanças climáticas e o Brasil: Por que devemos nos preocupar?

Por: Carlos Afonso Nobre, T74

2) Onde e quando ocorreu:

Data: 10 de junho de 2008, Terça-feira Hora: 20:00h a 21:00h Local: Auditório Lacaz Netto do ITA

A chegada ocorreu a partir das 19:00 com direito a coquetel, com uma taxa de R$ 15,00 para cobrir as despesas

Breve Relato do Evento

Comecei assim um relato da apresentação que o Carlos Nobre fez na AEITA Rio:

“Ontem foi a vez do Carlos Nobre, ITA, PHD em meteorologia, apresentar seu trabalho. Foi ótima. Talvez não vá usá-la em minha vida profissional, mas poderei entender um pouco melhor reportagens sobre mudanças climáticas e seus impactos no mundo que vivo e onde terão que viver filhos e netos. Quanto sabedoria e ciência expostas com simplicidade e tranquilidade.”

Esta em local e platéia diversa. CTA ITA Biblioteca Auditório Professor Lacaz Em frente do E2. Lembranças, recordações de tempo idos e sendo revividos. Começam a chegar os iteanos. Com convidados, com familiares. Mesa com computadores para prestar informação. Três secretárias da AEITA a postos trabalhando e embelezando. A foto do Professor Lacaz nos olha. Crachás bonitos e bem feitos. Começam a chegar. Alguns apanham o livro, outros recebem o livro sobre o Marechal Casimiro. Espanto meu, tem chopps. Não é gozação, lá se toma um chopps! Salgadinhos não light em profusão. Todos bons, kibe fora de série. A apresentação vai ser gravada em vídeo com profissional que nos dará um CD. O Nobre autorizou. Tomás, O Culpado, imperturbável olha a sua realização, a sua organização. É frio e tranqüilo. Um hábito salutar que tem de ser muito eficaz e silencioso. Um certo frio na barriga enquanto o Carlos Nobre não chega e continua enquanto são poucos os chegantes. Circulo, cumprimento alguns. Poucos conheço. Muitos da década de 70. Os que me conheceram no ITA dão bronca. “A próxima tem que ser fora do CTA porque a entrada é trabalhosa. Carteira de identidade, de motorista, do veículo etc.” Aí me cumprimenta. Chico Galvão vem de escolta de 1,90 para poder criar as suas celeumas. Miltão e Miriam vêem de Taubaté. Estou começando a relaxar. O Carlos Nobre chega e enquanto não testa seu micro, e tudo está ok, ainda sinto certo frio na barriga. Mas disfarço muito bem. Eu acho. Agradável burburinho. As pessoas estão satisfeitas ou estão com caras risonhas e alegres. Quase na hora, empurrar o pessoal para o auditório. O chopps atrapalha um pouco, querem acabá-lo. Vai começar o espetáculo. Viro mestre de cerimônia e apresento o Carlos Nobre.

Carlos Nobre já vi no Rio, li em jornal e o vi na televisão. Todos o conhecem.” Falo do evento histórico, para nós, de criar a Regional SJC. O Miltão, de Taubaté diz que seria melhor a Regional do Vale do Paraíba. Paulista é bairrista e tem mania de grandeza! Informo que o Christiano Sadock aceitou ser coordenador da nova Regional, com o nome que quiserem, por três meses. Peço voluntários que ainda não apareceram. Peço que o apóiem, espero que sim. A apresentação é primorosa. É professoral, doutoral e com citações de revistas muito atualizadas. Tem firmeza, sem ser arrogante. Expõe seus pontos com base em levantamentos que estão disponíveis nos meios científicos. Uma marca do Carlos Nobre é sua crença e postura científica. Apresenta alguns gráficos de evolução de gases na atmosfera e impressiona. O incremento é exponencial ou pelo menos está muito acentuado. Mostra que o mundo é um sistema complexo. E integrado. A emissão na China e no Brasil, influi no mundo. Não é que estamos no mesmo planeta? E com casamento indissolúvel. E a mensagem não é alentadora. Considera que algumas alterações climáticas são irreversíveis. E nós, terráqueos humanos, não estamos nos comportando bem. A explicação do porque derrubar um hectare de floresta densa e plantar cana repetidamente não é boa coisa, voei. Peçam explicação ao Chico ou ao Nobre. Relata que a pecuária produz muito metano. Há alguma risada. Informa que o gado solta metano quando arrota. Boi é um mamífero com flatulência e arrotância. Não sabia. Tem uma idéia de transformar o Brasil em um líder em uma nova forma de desenvolvimento. Porque somos um país tropical e ainda temos a Amazônia. Temos diversidade e clima tropical e nenhuma nação desenvolvida está nos trópicos. Uso o ITA, a sua concepção e criação como modelo. Que se faça um ITAmazônia. E esperemos um pouco por seus frutos: vide Embraer. É empolgado com o tema. Há muitas perguntas, responde-as muito bem. Quando terminou acho que era coisa de dez horas. E teve gente que continuou perguntando e ele respondendo. Ainda havia chopps e salgados. Papo continuou. Vendo-o tão cercado com tantos querendo falar com a celebridade que perguntei à esposa dele se já estava habituada. Riu, disse que sim e raramente vai a suas apresentações. Ouve-as em casa. Custei a dormir, custei a relaxar. Hoje, dia 11, já recebemos feedback que a reunião foi muito boa e deveríamos ter este tipo de reunião todos mês. Porque na próxima não divulgar online via Internet? Deixo que nova Regional o faça. É muito bom ter idéias para os outros fazerem. Dou força para que a REG SJC ou VDP o faça. E que também descubram o relator para as palestras.

Fernando Coelho

Rio de Janeiro 11 06 2008

Lista de presença

Acesse: Lista de Presença Encontro com Carlos Nobre


Regional AEITA SJCampos e Região

Ferramentas pessoais