Fábio Pardini

De wikITA

Após deixar o ITA, graduou-se em Engenharia Civil

Em entrevista à Folha de São Paulo em agosto de 2002, Pardini disse:

"Eu tinha me tornado dependente de um caderninho de anotações, mas voltei a ser uma pessoa normal", conta o engenheiro civil Fábio Pardini, 67, que há cerca de dois anos começou a ter esquecimentos que passaram a atrapalhar o seu trabalho. Ele diz que acabou decidindo participar da pesquisa da Unifesp justamente por ter aversão a neurologistas e psicólogos.

"Foi muito bom não ter de tomar remédio, por isso me entusiasmei. Agora que aprendi a fazer, não vou deixar cair a peteca."

Pardini faz exercícios de alongamento e pedala três vezes por semana por cerca de meia hora na bicicleta ergométrica.


Turma de 1958

Turma de 1959

Ferramentas pessoais