Francisco Antônio Lacaz Netto

De wikITA

"PROFESSOR EMÉRITO, CIDADÃO INSIGNE E DEFENSOR OBSTINADO DOS IDEAIS DESTA INSTITUIÇÃO" (Placa de inauguração do Auditório do ITA, Out 1991).


O Professor Francisco Antônio Lacaz Netto nasceu em 1911, em Guaratinguetá [1], estado de São Paulo, e faleceu em 1991, em São José dos Campos, no mesmo estado.

Fez seus estudos básicos na Escola Normal de Guaratinguetá [2], [3], [4]. Em 1929, graduou-se em Farmácia; em 1932, em Engenheiro Geógrafo, pela EPUSP e; em 1935, em Ciências Matemáticas, pela FFCL/USP.

No ano de 1959, encerra seus estudos na Universidade de Roma. Foi professor em diversos colégios na cidade de São Paulo, como o Bandeirantes e o Dante Alighieri, e Universidades (PUC, Mackenzie, USP, Unesp).

O ITA era sua casa, onde foi Professor Adjunto, Titular, Conferencista e, finalmente, Professor Emérito, tendo permanecido como Reitor do ITA de 1966 a 1973.

Escreveu 25 livros e mais de uma centena de artigos e monografias.

São inúmeros os cadernos contendo estudos sobre educação, história da matemática e cultura geral, em sua biblioteca pessoal.[5], [6]


Tabela de conteúdo

Auditório Francisco Antônio Lacaz Netto

Auditório Francisco Antônio Lacaz Netto e Biblioteca do ITA - vista lateral - note-se o traçado característico da arquitetura de Oscar Niemeyer
Em outubro de 1991, o auditório do ITA, próximo à Biblioteca, recebeu o nome de "Auditório Francisco Antônio Lacaz Netto".

Láurea Lacaz Netto

A Láurea Lacaz Netto, criada em 1996, é concedida anualmente ao formando que tenha realizado o melhor Trabalho de Graduação (TG).

Para a seleção dos premiados nesta categoria, os TGs são submetidos a uma avaliação interna em cada Divisão de Ensino do Instituto. Os cinco melhores trabalhos são, então, encaminhados pela Direção de Ensino para uma avaliação externa, realizada por instituição de reconhecida competência acadêmica.

Desde sua criação este prêmio é concedido pela Empresa Litoral Engenharia de Desenvolvimento Ltda. do iteano Aguinaldo Mendes da Silva (INFRA, Turma de 1977).

Relação dos vencedores desse prêmio:

Prof Lacaz e o Bandeirante

Prof Lacaz Netto à direita e Prof Vandaele à esquerda, num dos primeiros vôos do Bandeirante, provávelmente fins da década de 1960.

Esta imagem foi conseguida por Francisco Lacaz Ruiz, filho do engenheiro Wilson Ruiz (AEROV-52) e neto do Prof Lacaz em entrevista realizada com dona Beatriz de Lima, uma senhora de ascendência húngara casada com um funcionário da Alpargatas que tocava e cantava em casamentos na capela do CTA.

O marido dela, Carlos Dravotin Groma, havia sido convidado para voar no Bandeirante, pois êle fazia parte do grupo de vôo a vela. Nesse dia, uma viagem a Pirassununga, dona Beatriz foi convidada pelo marido para ir também.

Ela tem até uma foto dela com o marido e o Ozires Silva posando em frente ao Bandeirante, que separou para não perder porque a foto era muito importante, e agora não lembra mais onde guardou, mas prometeu que vai procurar e avisar quando achar.

A qualidade da imagem é ruim porque, segundo ela, eram slides que foram transformados em imagem no papel.

O Prof. Lacaz Netto visto por seus (então) alunos ou ex-alunos

ENUNCIADO DO TEOREMA DE DIRICHLET. Artigo publicado no Suplemento Interno, pág 02/04, de O Iteano No. 12 - Ano II - Novembro/1954. Charge de autoria de Temístocles Servilheira de Lissandre (AERON, Turma de 1956), segundo depoimento de Pedro John Meinrath (AEROV, Turma de 1959) por e-mail, na itanet e em outras redes iteanas, em 07/06/2010.

ENUNCIADO DO TEOREMA DE DIRICHLET. Suplemento Interno de O Iteano No. 12, Ano II, Novembro/1954, págs. 02/04.

(Consulte também: "O Iteano" e o acervo do DID)


Seja f um vetor - o que? - um vetor-função. Preste bem atenção - não copie agora, depois eu repito novamente - definido no intervalo [x1;x2] - não é verdade? E se num ponto x qual - o que? - qualquer a função é deri - o que? - derivável à direita e à esquerda - note que eu não sei se a fun - o que? - função é derivável no ponto - não me interessa - preste bem atenção - e o valor da deri - o que? - derivada à esquerda e à direita podem ser desi - o que? - desiguais. Pois bem, a série de Fourier que lhe é associ - o que? - associada, no sistema exponen - o que? exponencial - note que presta bem atenção, só vale para o sistema exponen - o que? - exponencial, não é verdade? Preste bem atenção, a série de Fourier tem como soma neste - o que? - neste ponto a média aritmética dos valores que a fun - o que? - função assume imediatamente à esquerda e à direi - o que? - direita do ponto - o que? - do ponto x. Note que não há dificuldade alguma, não é verdade? - coisa muito fácil - não é mesmo Sattelmayer? Repita o enunciado - vão estudando, vocês estão aqui é pra estudar - vamos Sattelmeyer! - note que a demonstração é uma vergonheira, só fazer continhas, não é verdade? Matemática é sempre a mesma xaropada; - Sattelmayer?! (É a vez do Sattelmayer...)



Comentários sobre o artigo acima e depoimento de Seth Emanuel Couto Melo Filho (ELE-79) em 17/06/2010

em boa memória do saudoso Mestre Lacaz Netto

O que me chamou atenção nesse artigo sobre o Prof Lacaz Netto, publicado no "Suplemento Interno" do informativo "O Iteano" de novembro de 1954 (teria sido o Sattelmayer o autor?), foram os seguintes fatos:

1- publicado dois anos antes de eu nascer (nasci em dezembro/1956), mostra que a didática usada pelo Prof Lacaz em sala de aula já tinha a mesma característica que minha turma de ELE viria a usufruir nas aulas de MAT-50, em 1977, no 1o. ano do Curso Profissional (foi a primeira e única vez que fui aluno dele);

2- ao contrário do que possa parecer à primeira vista, e descontado um certo exagero do (então) aluno-autor, que multiplicou exageradamente os pedagógicos "o que?" que o Prof Lacaz inseria no meio das palavras para provocar uma participação ativa dos alunos em suas aulas, estas eram extremamente produtivas e se aprendia muito;

3- o que ocorria nas aulas, reproduzido com perfeição no artigo, era exatamente o que ele orientava: "- Preste bem atenção - não copie agora, depois eu repito novamente." e chamava algum aluno para ir ao quadro negro, para mostrar que aprendeu: "- Note que não há dificuldade alguma, não é verdade? - coisa muito fácil - não é mesmo Sattelmayer? Repita o enunciado...", e, quase gritando: - "...vão estudando, vocês estão aqui é pra estudar - vamos Sattelmayer!..." (encorajando o aluno a ir ao quadro); dessa forma, ele cuidava efetivamente para que os alunos aproveitassem bem a aula e aprendessem ali mesmo; as anotações seriam úteis apenas para uma posterior revisão;

4- além do mais, os conteúdos que ele trabalhava em sala de aula, embora relativamente complexos, eram apresentados de forma tão metódica e simples, dada sua intimidade com os mesmos, uma rotina tão bem dominada, havia tantos anos (e em tantas escolas, como se pode ver na sua mini-biografia acima), que, ao final, ele podia afirmar com tranquilidade (e tranquilizando os alunos frente ao assunto complexo): - "...note que a demonstração é uma vergonheira, só fazer continhas, não é verdade? Matemática é sempre a mesma xaropada;" para novamente encorajar o aluno (já tranquilizado) a ir ao quadro: "- Sattelmayer?! (É a vez do Sattelmayer...) "

A caricatura do professor, que acompanha o artigo, pareceu-me também captar muito bem os seus traços físicos.

Enfim, a descoberta no acervo do DID e a leitura desse artigo foi para mim uma interessante viagem à época em que fui aluno do Prof. Lacaz Netto no ITA (1977); e também a uma outra época, bem anterior, antes mesmo de eu nascer (1954); foi uma verdadeira viagem no tempo, ficando uma sensação de ter cruzado por aí alguns improváveis "buracos de verme ou de minhoca" (os previstos na teoria da relatividade geral :-).

Depoimento de Hitoshi Shimizu (ELE-63) em 25/9/12

Fui aluno do professor Lacaz no segundo ano fundamental, em 1960; conhecia-o antes do ITA, pelos livros de matemática do curso científico.

Como mestre tinha, a meu ver, uma característica peculiar. Comparando-o com outro professor do ITA, por exemplo o prof. Leo Huet Amaral, era de outro estilo. O Leo escrevia tudo na lousa, detalhadinho, tim-tim por tim-tim. Já o Lacaz era, não diria "chutador", mas mais aberto, menos detalhista, mas obrigava o aluno a pensar, a raciocinar. Escrevia na lousa, mas não bonitinho como o Leo. Por isso afirmei "chutador". Como se fosse mais bagunçado. Mas esta característica do Lacaz me levava a raciocinar. A procurar entender, a imaginar.

Acho que ele dava aulas de matrizes e determinantes aplicados aos vetores. Muito bonito representar os vetores como matrizes. Esse conceito servia para entender as funções ortogonais.

Como lazer o professor Lacaz estava sempre junto dos alunos, era técnico de futebol. Ia aos jogos universitários, e vibrava junto muito.

Tenho lembranças de excelente mestre, homem sensível, humano, solidário e prestativo. Foi um santo homem.

Depoimento de José Dion de Melo Teles (ELE-63) em 25/9/12

Lembro-me que o professor Lacaz era o treinador e juiz da turma do futebol e, para variar, era muito exigente. Dotado de um fôlego extraordinário para a idade, corria os 90 minutos no campo.

O seu bigode vasto e a grande miopia favorecia as caricaturas afetivas que se faziam sobre ele com giz nas lousas…

Depoimento de Amadeu Aleixo Machado (ELE-63) em 27/9/12

Quando entrei no ITA, em 1959, o professor Lacaz foi designado meu conselheiro. Em nossa reunião de apresentação descobrimos um curioso elo de ligação. Quando me perguntou de onde eu era e lhe respondi “de Itapetininga”, ele exclamou: "Mas eu estudei na sua cidade! Fiz o curso de Farmácia em 1929, porém abriu o curso de Matemática na USP e fui estudar em São Paulo."

Seu jeito de interior cativou-me de imediato: acolhedor, contador de histórias, ótimo ouvinte e muito prosa.

Tive aula com ele só no final de 1959 e 1960. Os 50 minutos passavam rapidamente. Ele tinha um jeito diferente de ensinar: falava a primeira sílaba da palavra e esperava que algum aluno a completasse. Mantinha assim a turma atenta o tempo todo. Obrigava-nos a raciocinar.

Tive bons e ótimos professores de matemática, mas o professor Lacaz era excelente. Foi o melhor.

Perguntei-me uma vez como teria sido o farmacêutico Lacaz, se não houvesse desistido de Farmácia. Concluí que ele tambem seria ótimo. Seu lado humanístico fazia a diferença.

Na nossa formatura, em dezembro de 1963, ele me proporcionou momentos de emoção ao chamar meu pai para me entregar o diploma. Este, lavrador, que não teve oportunidade de estudar, era o recém eleito prefeito de Itapetininga, e foi assim homenageado por meu conselheiro, em razão da sua condição de ex-aluno de Farmacia em minha cidade.

No dia seguinte o professor Lacaz veio até a residência dos alunos para se despedir. Contou-me que estava triste porque havia perdido o manuscrito de sua "Pequena História de Grandes Matemáticos" mas que iria publicá-lo nem que tivesse que reescrevê-lo. Alguns anos depois recebi, em minha casa, um exemplar com emotiva dedicatoria. No livro ele chama o físico Niels Bohr - Prêmio Nobel de 1922 - de "Foot-Bohr". A explicação dele para esse apelido permitiu-me descobrir que o manuscrito havia sido encontrado.

Depoimento de Arthur Cassiano Bastos Filho (AEROV-63) em 25/9/12

No final do Curso Fundamental, no ano de 1960, estávamos na nossa última aula com o prof. Lacaz. Naquele Curso, a turma toda era dividida em dois grupos, com cerca de 50 de nós por grupo.

Admiradores todos do Prof. Lacaz, coube-me a tarefa de interromper sua aula nos minutos finais e, em nome de todos, homenageá-lo com algumas palavras. À medida que o final da aula se aproximava, meu nervosismo aumentava. Embora muito amigo e competente na aula, sua forma firme de falar e sua idade exigiam respeito e formalismo, itens mais frequentes na época. Queria ser sério e respeitoso em minha fala.

Quando não me aguentei mais levantei e pedi-lhe licença para falar. Faltavam 10 minutos.

Como se estivesse adivinhando meu objetivo, ele me olhou, olhou para o relógio e foi direto: "É melhor você se sentar de novo, pois não acredito que você conseguirá ficar falando até tocar o sinal. Levante-se de novo quando faltarem dois ou três minutos."

Foi o que fiz. Ele, como habitualmente, estava certo.

Depoimento de Gustavo Damásio Monteiro (ELE-63) em 28/9/12

Em certas aulas, o Prof. Lacaz, ao iniciar a explicação de um novo conceito, dizia: "Vejam, isso que vou explicar agora é muito importante! E o que acontece com o que é muito importante na minha aula?"

Nas primeiras vezes ele mesmo ensinou a resposta a essa pergunta. Mas depois apenas colocava a pergunta e esperava que a turma respondesse. E nós entoávamos em coro:

"Cai na prova!"

E caía mesmo!

O professor, além de Lacaz, era sagaz. Por trás do novo conceito importante, que seguramente iria cair na prova, havia geralmente outros conceitos como pré-requisitos. Por exemplo, para entender o conceito de "função derivada", era preciso ter entendido antes o conceito de "limites".

Com esse artifício o prof. Lacaz nos fez estudar, entender e fixar direitinho muitos conceitos importantes em matemática.

Foto histórica

Fac-símile da primeira carteira profissional do Prof Lacaz

Referências

  1. Guaratinguetá (com citação ao Prof. Francisco Antônio Lacaz Netto como um de seus Personagens). Portal Migalhas (visitado em 30/05/2010).
  2. Carlos da Silva Lacaz. Depoimento ao Museu da Pessoa (com citação ao seu irmão, Prof. Francisco Antônio Lacaz Netto). Portal do Museu da Pessoa (visitado em 30/05/2010).
  3. Escola Complementar de Guaratinguetá, em 1903 (Escola Normal de Guaratinguetá, em 1920). Portal do Centro de Referência em Educação Mário Covas (visitado em 30/05/2010).
  4. Joaquim Roberto Fagundes. Escola Normal de Guaratinguetá - Imagens Reais de Uma Memória. Fontes primárias do Vale do Paraíba. 05/05/2010 (visitado em 30/05/2010).
  5. Calabria, A.R. Acervo do Professor e Matemático Lacaz Netto: uma breve apresentação. media:Acervo Prof Lacaz.pdf
  6. Calabria, A. R. "Francisco Antonio Lacaz Netto (1911-1991): um estudo biográfico." Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Área de Concentração em Ensino e Aprendizagem da Matemática e seus fundamentos filosóficos-científicos do Instituto de Geociências e Ciências Exatas. Campus de Rio Claro. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”.

Ligações externas

  1. Galeria de Reitores do ITA. Portal do ITA.
  2. Reitores e Vice-reitores do ITA. Portal do ITA.
  3. Prof. Lacaz Netto é tema de tese de Doutorado. Portal da AEITA. (acessado em 06/11/2015)



Auditório Francisco Antônio Lacaz Netto

Professores do ITA

Reitores do ITA

História do ITA

ITA

Ferramentas pessoais