Gagá

De wikITA

Edição feita às 05h03min de 19 de outubro de 2014 por Aespeschit (disc | contribs)
(dif) ← Versão anterior | ver versão atual (dif) | Versão posterior → (dif)

Tabela de conteúdo

Introdução

Gagá, genericamente, é o material de estudo, ou o ato em si de estudar.

O gagá também pode ser entendido como uma figura quase material: é muito comum pelos corredores do H8 expressões como "o gagá me chama", "o gagá ainda vai me matar!", e semelhantes elações ao ato fundamental e definidor do Iteano: meter gagá. Na veia.

Desenho do Xixo (AER-90), digitalizado pelo Dalmás no qual aparecem referências veladas ao Ferrari e ao Clemens

Diferentes Tipos

Dizem que os esquimós têm dezenas de palavras para dizer "gelo". Nada mais natural, portanto, que os iteanos tenham diversos sinônimos para "gagá".

Gagá Auto-Reverse

Modalidade resultante quando o tempo reservado para o gagá é suficiente para mais que uma única passada de olhos (ver Conjugado Tempo-Saco), e o material de estudo se mostra mais desafiador que o inicialmente imaginado.

Neste caso, o gagazeiro volta ao início repetidamente. É comumente sabido, embora ainda não totalmente explicado, que as iterações em geral tornam o entendimento mais difícil, o que vem a ser exatamente o contrário do objetivo proposto.

Gagá Auto-Stop

Mais comumente proposto do que efetivamente realizado, é aquele onde supostamente se abondona o gagá depois da primeira lida. Na prática, depois das bravatas iniciais de que "hoje vai rolar um auto-stop, só de de leve!", quase sempre o gagazeiro recorre ao auto-reverse. Dependendo da situação, este pode descambar para um gagá-desespero, e sempre há os covardes que recorrem ao gagá-mocado.

Xixo (AER-90) demonstrando o gagá auto-stop.

Gagá Desespero

A causa mais comum do gagá desespero é a espera, na maioria das vezes vã, de que o conjugado tempo-saco se materialize ANTES de começar a meter gagá. Uma vez que o saco é uma imponderabilidade, enquanto o tempo é uma realidade física inescapável, na maioria das vezes esta espera se transforma em um gagá desespero quando o tempo, inexorável, se esgota.

Na minoria das vezes, o gagá desespero é gerado por um efetivo excesso de conteúdo.

Gagá Mocado

Recurso pouco elegante, o gagá-mocado é aquele que se mete mocado. Os gagazeiros em geral muitas vezes a ele recorrem por questões de intertemporalidade. Por exemplo, uma véspera de prova que caia na mesma noite que os Cem Dias.

Há alguns que recorrem ao gagá-mocado por ver o gagá como algo impróprio. Nada mais errôneo: você com certeza meteu para entrar, e vai meter mais ainda para sair.

Gagá Escroto

Ao contrário dos anteriores, o gagá é escroto mais pelas suas próprias características do que pelos atos do gagazeiro. MAT em geral é escroto, o gagá do Biga é escrotérrimo, e até na INFRA é possível, embora não provável, que exista um gagá escroto.

Gagá Na Cama

Apesar de ter "gagá" no nome não se relaciona com o ato de estudar. Quando alguém está metendo gagá à noite para a prova da manhã seguinte falar "eu vou meter gagá na cama" significa de fato "caguei, vou dormir" só que para desencargo de consciência ele leva o livro para cama correndo o risco de babá-lo completamente.

Gagá On-Line

Prova com consulta.

Gagá Seboso

Gagá feroz, intenso, que muitas vezes só era interrompido com o raiar do sol e a chegada da hora da verdade no E2. Muito usado na década de 1960.


Ferramentas pessoais