IME

De wikITA

IME e Praia Vermelha vistos do bondinho do Pão de Açúcar - Rio de Janeiro - Fonte: O Globo

O Instituto Militar de Engenharia - IME, anteriormente, Escola Técnica do Exército - EsTE, fica localizado na Praia Vermelha, próximo à Urca e ao Pão de Açúcar, e junto à estação do bondinho, no Rio de Janeiro - RJ.

Tabela de conteúdo

Cursos

A escola oferece 11 especialidades de engenharia, em nível de graduação, ministradas em regime escolar integral, com estrutura curricular em sistema seriado semestral, concentradas nas seguintes 6 Seções de Ensino (além da Seção de Ensino Básico, responsável pelo Curso Básico, comum a todas as especialidades):

  1. Fortificação e Construção:
    1. Engenharia de Fortificação e Construção;
  2. Elétrica:
    1. Engenharia de Comunicações;
    2. Engenharia Elétrica;
    3. Engenharia Eletrônica;
  3. Mecânica e Materiais:
    1. Engenharia Mecânica e de Armamento;
    2. Engenharia Mecânica e de Automóvel;
    3. Engenharia de Materiais;
  4. Química:
    1. Engenharia Química;
  5. Cartografia:
    1. Engenharia Cartográfica;
  6. Computação:
    1. Engenharia de Computação.

O instituto oferece também cursos de extensão, de especialização e de pós-graduação (mestrado e doutorado) em diversas áreas do conhecimento afins com as engenharias da graduação, além do ensino militar, conforme se pode ver no seu portal.

O primeiro curso de Engenharia Aeronáutica do Brasil

O Coronel Engenheiro do Exército Castellano de Lucena, em sua monografia "Uma breve história do IME" (Rio, 2005), nos relata que o primeiro curso de Engenharia Aeronáutica do Brasil funcionou na antiga Escola Técnica do Exército (EsTE), iniciado em março de 1939, por meio de uma Autorização Ministerial (Ministério da Guerra) de 14 de janeiro do mesmo ano, até que fosse criada uma "Escola Técnica de Aviação".

Na primeira turma desse curso, ingressou o então Major do Exército Casimiro Montenegro Filho, na qual se graduou Engenheiro Aeronáutico, em dezembro de 1941.

IME, "berço histórico" do ITA

A concepção de Casimiro para o ITA e o CTA surgiu, então, como desdobramento natural da proposta de criação de uma "Escola Técnica de Aviação", a partir do curso de Engenharia Aeronáutica da EsTE, sendo esta, portanto, o seu "berço histórico", segundo Castellano de Lucena.

Essa ligação histórica é bastante evidente pelo fato de que a última turma de Engenharia Aeronáutica da EsTE graduou-se no início de 1950, enquanto a primeira turma do ITA, tendo iniciado suas atividades acadêmicas em 1947, ainda no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, na sala 405-A da própria EsTE e, posteriormente, em instalações localizadas em prédios do Ministério da Aeronáutica, na Ponta do Calabouço, junto ao Aeroporto Santos Dumont, veio a se diplomar no final de 1950, já nas novas instalações, na cidade de São José dos Campos, no estado de São Paulo.

Na sequência, a segunda e a terceira turmas do ITA também iniciaram suas atividades acadêmicas nas mesmas intalações, no Rio de Janeiro, transferindo-se, no mesmo ano de 1950, para as novas instalações de São José dos Campos, onde se graduaram, respectivamente, no final de 1951 e de 1952.

Ligações externas

  1. Portal do Instituto Militar de Engenharia - IME
  2. Castellano de Lucena, L. - Uma breve história do IME. Rio, 2005. Portal do IME.
  3. Portal do Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA
  4. Imagem de satélite do Instituto Militar de Engenharia - IME. Google Maps.
  5. Smith, R. H. Conferência "BRASlL, FUTURA POTÊNCIA AÉREA" (Trechos). Conferência realizada em 26.09.1945, no Auditório do Ministério da Educação (RJ), a convite do Instituto Brasileiro de Aeronáutica. Portal do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA).
  6. Plano Smith (ITA/CTA). Portal da Fundação Casimiro Montenegro Filho (FCMF).
  7. Criação do Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA. Portal do ITA.
  8. Portal do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial - DCTA (anteriormente CTA).
  9. Histórico do DCTA. Portal do DCTA.

Glossário

Casimiro Montenegro Filho

História do ITA

ITA

Ferramentas pessoais