ITA

De wikITA

Vista frontal do E2, prédio central do ITA, no qual se vê o seu emblema, brevet ou logomarca
Vista lateral do E2, prédio central do ITA
Biblioteca do ITA e Auditório Francisco Antônio Lacaz Netto - vista lateral - note-se o traçado característico da arquitetura de Oscar Niemeyer
ITA no Google Maps (imagem obtida em 26/10/2008)

O Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA - é uma instituição superior de ensino e pesquisa em Engenharia concebida como parte administrativamente autônoma do Centro Técnico de Aeronáutica, atual Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial - DCTA, na primeira metade da década de 1940, por Casimiro Montenegro Filho, então Tenente-coronel Aviador e Engenheiro Aeronáutico, que respondia pela subchefia da Diretoria de Material da Aeronáutica e pela subdiretoria de Técnica Aeronáutica do recém criado Ministério da Aeronáutica[1], e por alguns importantes colaboradores, como o Prof. Richard Harbert Smith[2],[3],[4], então chefe do Departamento de Engenharia Aeronáutica do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT - Massachussets Institute of Technology, Boston, Massachussets, USA), que veio a se tornar o primeiro reitor do ITA, no período de 1946 a 1951[5].

Ao que parece, a concepção de Casimiro foi-se construindo como um desdobramento natural da criação do Curso de Engenharia Aeronáutica (do qual foi aluno e se graduou na primeira turma) na antiga Escola Técnica do Exército - EsTE (atual Instituto Militar de Engenharia - IME), iniciado em março de 1939, por meio de uma Autorização Ministerial (Ministério da Guerra) de 14 de janeiro do mesmo ano, até que fosse criada uma "Escola Técnica de Aviação"[6].

De fato, o Decreto nº 27.695, de 16 de janeiro de 1950, do presidente Eurico Gaspar Dutra, criou o ITA com a transformação em "Curso Fundamental" e "Curso Profissional" dos respectivamente já existentes "Curso de Preparação" e "Curso de Formação de Engenheiros de Aeronáutica" da EsTE. Por esta razão, a última turma de Engenharia Aeronáutica da EsTE formou-se no início de 1950, enquanto a primeira turma do ITA, tendo iniciado suas atividades acadêmicas em 1947[7], ainda como alunos da própria EsTE, instalados na sala 405-A e, posteriormente, em instalações localizadas em prédios do Ministério da Aeronáutica, na Ponta do Calabouço, junto ao Aeroporto Santos Dumont (conforme depoimento de Newton Soler Saintive, da Turma de 1950, no Sábado das Origens de 2009), veio a se diplomar no final de 1950, nas novas instalações em São José dos Campos, no estado de São Paulo.

O ITA foi formalmente definido pela Lei nº 2.165, de 05 de janeiro de 1954, sancionada pelo presidente Getúlio Vargas.

Tabela de conteúdo

Cursos

Passados mais de sessenta anos de sua fundação, o ITA oferece atualmente seis cursos de graduação em Engenharia:

O instituto oferece também cursos de extensão, de especialização, de mestrado (acadêmico e profissional) e de doutorado em diversas áreas do conhecimento afins com as engenharias da graduação, conforme se pode ver no seu portal.

Formação Acadêmica

A matéria prima dos cursos de graduação em Engenharia do ITA são os "bixos" (ou seriam bichos?;-), isto é, os alunos recém ingressos, através do tradicional e muito concorrido vestibular, que passam a habitar (n)os H8, tendo como órgão de representação acadêmica o Centro Acadêmico Santos Dumont (CASD) e como Código de Honra e de Ética, a Disciplina Consciente (DC). O seu produto são os engenheiros iteanos, ex-alunos que suportaram todos os trotes dos seus antigos veteranos, assim como dos seus professores ;-), que passaram a ter o ITA como sua alma mater e que se mantêm aglutinados em torno da AEITA, nos termos do seu Estatuto.

PDI - Plano de Desenvolvimento Institucional 2011 - 2020[8]

O Plano de Desenvolvimento Institucional 2011 - 2020 do ITA (atualizado em 2011)[9],[10],[11] aproveitou parcialmente o Planejamento Estratégico realizado em 2002 e 2003 e o Projeto de Reorganização Institucional do então Centro Técnico Aeroespacial, realizado em 2004 e 2005, conforme mencionado em seu preâmbulo, e enuncia o seguinte:

Missão

“Formar recursos humanos de nível superior e promover o progresso da ciência e da tecnologia no campo aeroespacial, especialmente nas áreas de interesse do COMAER, por meio da educação, ensino, pesquisa e extensão.”[12]

Visão

“Manter nacionalmente e expandir internacionalmente o reconhecimento do ITA como referência de excelência no ensino, pesquisa e extensão, na área científico-tecnológica aeroespacial.”[13]

Valores

“O ITA, como instituição de educação e ensino superior, valoriza e pratica a disciplina consciente, a ética profissional, a postura crítica, a responsabilidade social, a valorização do ser humano e a formação integral do técnico e do cidadão.”[14]

Objetivos Estratégicos

  1. Tornar o Instituto cada vez mais conhecido internacionalmente como centro formação de recursos humanos para o Setor Aeroespacial e como centro de excelência em pesquisa e desenvolvimento;[15]
  2. Contribuir para a implantação da indústria espacial do país, como fez com a aeronáutica e outras desde a sua criação;
  3. Expandir com qualidade, ampliando a autonomia científica e tecnológica e contribuindo para a competitividade das indústrias aeroespacial e de defesa do País;
  4. Obter maior integração com o setor operacional da Força Aérea e ser ator de destaque dentre as ICT do MD.

Paradigmas (visão de futuro)

1. Manutenção da marca:[16]

atuação no nicho Aeroespacial:
§ Aproximação com demais órgãos do COMAER, especialmente com os demais Institutos do DCTA, redefinindo vínculos;
§ Fortalecimento de vínculos com demais órgãos do Ministério da Defesa e a indústria aeronáutica e de defesa;
§ Apoio científico e tecnológico ao COMAER e ao Setor Aeroespacial;
reafirmação dos valores;
Modelo Educacional: aprender fazendo (“learning by doing”);
inovação, empreendedorismo e atividades extracurriculares;
cooperação externa;
aperfeiçoamento continuado do corpo de servidores.

2. Suficiente flexibilidade e agilidade de gestão.

3. Fortalecimento do ambiente acadêmico:

modelo: Universidade;
aproximação entre corpo docente, discente e ex-alunos; espaço convivência.

4. Aprimoramento da gestão administrativa:

eficiência, agilidade e flexibilidade;
cooperação e extensão;
autonomia em relação ao MEC;
preparação para expansão/diversificação;
busca de grau ótimo de autonomia;
uso da Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC).

5. Aumento da visibilidade e “abertura” para o exterior:

excelência de nível internacional na pós-graduação (e pesquisa);

6. Consolidação da interação com a comunidade acadêmica, científica e industrial/empresarial:

parcerias com empresas públicas e privadas;
recursos competitivos;
captação de doações;
cooperação externa.

Ações Estratégicas

  1. AEI1 - Expansão com Qualidade;[17]
  2. AEI2 - Adequação a Novo Modelo de Relacionamento/Financiamento Externo;[18]
  3. AEI3- Aprimoramento e manutenção da capacidade de ensino e pesquisa;[19]
  4. AEI4- Fortalecimento da gestão de acesso à informação científica e tecnológica;[20]
  5. AEI5- Especificação e otimização de processos de gestão, incluindo aquisição de bens e serviços;[21]
  6. AEI6 – Aprimoramento da Pós-Graduação;[22]
  7. AEI7 – Modernização dos Instrumentos de Informática.[23]

Ações Complementares

  1. Missão, Visão e dos Valores do Instituto;[24]
  2. Sistema de avaliação institucional;[25]
  3. Prestação de serviços;[26]
  4. Processos para o estabelecimento de convênios e contratos;[27]
  5. Processos ligados a aquisições de bens e serviços;[28]
  6. Política relacional do Instituto;[29]
  7. Política de geração e captação de recursos financeiros e de controle orçamentário e financeiro;[30]
  8. Visibilidade institucional;[31]
  9. Política de propriedade intelectual;[32]
  10. Política de Recursos Humanos;[33]
  11. Captação, alocação e realocação de pós-graduandos e pesquisadores;[34]
  12. Capacitação.[35]

Reitores do ITA

Referências

  1. Fernando Morais, "Montenegro - As aventuras do Marechal que fez uma revolução nos céus do Brasil" (Biografia). Editora Planeta do Brasil, Novembro, 2006.
  2. Criação do Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA. Portal do ITA.
  3. Smith, R. H. Conferência "BRASlL, FUTURA POTÊNCIA AÉREA" (Trechos). Conferência realizada em 26.09.1945, no Auditório do Ministério da Educação (RJ), a convite do Instituto Brasileiro de Aeronáutica. Portal do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA).
  4. Plano Smith (ITA/CTA). Portal da Fundação Casimiro Montenegro Filho (FCMF).
  5. Galeria de Reitores do ITA. Portal do ITA.
  6. Castellano de Lucena, L. - Uma breve história do IME. Instituto Militar de Engenharia (IME), Rio, 2005.
  7. a 34. PDI - Plano de Desenvolvimento Institucional 2011 - 2020, Vol. I (Partes 1, 2 e 3) / Vol. II (Parte 4 - Anexos) / Apresentação. Portal do Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA. (acesso em 06/11/2011).

Vídeos sobre o ITA

Links externos



Professores do ITA

Professores Eméritos do ITA

Reitores do ITA

Iteanos de destaque

Turmas do ITA

História do ITA

CASD

Acervo do DID

COCTA

DCTA

Página principal

Ferramentas pessoais