Jed Luiz Alcure

De wikITA

1959, no trote
1963
No Jubileu, 11/2013

Tabela de conteúdo

Relato enviado pelo Jed em 24/12/13

Apos uma decepção com a ciência (Comissão Nacional de Energia Nuclear e estágio no Centre Etudes Nucléaires e Divison Minières da cidade de Ambazac, na França) fui ser "informático" e finanças na GE, venda de grandes sistemas Westinghouse e ameaça à corrupção na Interbrás (Petrobras fazendo loucuras na África e Leste Europeu, entre outras praças mais valorizadas - Circuito Elizabeth Arden).

A moda foi um empreendedorismo com riscos e bônus comuns a todo negócio. Nada tão original como parece além, é claro, de sua liturgia provocativa: aparecia livre, convívio e charme com as modelos e mulheres mais lindas do mundo, também gays e lésbicas etc. Fui para New York por um sonho de fazer uma multinacional brasileira – excesso de ousadia e ambição. Ultrapassei a boa e saudável ambição e sucumbi à grande tentação da vaidade.

Graças a Deus, aos Sarneys e aos Collors da vida e a falta de tecnologia gerencial à distancia (o fax estava iniciandio, o PC não existia, utilizei Micro com CPM 8 bits), meu fracasso levou-me à falencia no sentido mais verdadeiro e cruel, mas me fez recuperar amor e a humildade . Neste Natal vejo nas mensagens de Jesus a importância desse reencontro, o que mesmo para os não crentes é, sempre, uma mensagem universal. Todos fomos redimidos.

Quanto à minha imagem, cabelo, etc. eu já era algo estranho no ITA – se é que havia algo de normal entre nós. Quando fui a Washington Square em NYC na nossa viagem aos EUA de parte da turma, ao ouvir violão deitado nas caves ou tocar no alto de uma em vermelho, já reconheci que eu era um beatnik (projeto precursor dos anos 67/68 e nos quais me reencontrava).

Entrevista de TV, houve sim, algumas como notado por alguns colegas da turma, inclusive uma com a Marília Gabriela.

Ao pensar em "indústria de moda" devemos também não nos restringir a seu aspecto do charme eventual mas a toda uma industria que tem

  • criatividade
  • inovação
  • risco a cada coleção (no mínimo 4 por ano)
  • o maior contigente de empregos para mulheres pobres, com alto alcance social.

Observe-se nos shoppings: é impressionante que vestuário e seus correlacionados ocupam mais da metade dos espaços e negócios, sendo maior que alimentação, eletrônica, mobiliário, coisas de casa, lazer etc juntos.

Minhas empresas de moda que tiveram por capital inicial meio Volks velho alegravam-me por termos as melhores condições de trabalho, melhores salários e comissões e a mais alta taxa de pagamento de impostos. Não apenas as vendedoras mais lindas da época!! Talvez tudo isto tenha sido um pouco fatal.

Hoje continuo sonhando: a fazenda é meu sonho mais novo. Não pelo lucro mas pela ousadia e novidade.

O próprio Jed inseriu aqui o seguinte, em 2008

Atividade atual: empresário de Internet, trabalhando em desenvolvimento de projetos de Internet e hospedagem de web sites profissionais; e-commerce.

Sites próprios, modelo de negócio: publicidade de listas e em geral. Exemplos:

[1]; [2]; [3]; [4]

Endereço:

IMSC Interactive Marketing Shopping & Communications Ltda.
Av Beira Mar 406, grupo 705
Tel. 55 (21) 2510-5500
jed@alcure.com.br


Um conto enviado pelo Jed

Diz uma lenda árabe que dois amigos viajavam pelo deserto, quando em determinado ponto da viagem, bastante cansados, um agrediu o outro. O ofendido, sem nada dizer, pegou o seu cajado e escreveu na areia: "Hoje o meu melhor amigo me derrubou no chão".

Passado algum tempo, seguiram viagem pelo deserto, até chegar a um oásis. Lá, se banharam à vontade, até que o amigo que havia sido agredido, começou a se afogar. O outro nadou até ele e o trouxe até a margem, são e salvo. Foi quando o amigo resgatado pegou seu saibro e escreveu em uma pedra, cercada de vegetação: "Hoje o meu melhor amigo salvou a minha vida".

O primeiro perguntou: "Por que quando você foi agredido, você escreveu seu sentimento na areia, e quando foi salvo escreveu na pedra"?

O outro respondeu,sorrindo: "Quando um grande amigo nos ofende, devemos registrar esse dano na areia, para que o vento do esquecimento e do perdão se encarreguem de apagá-lo. Mas quando um amigo nos faz algo grandioso, devemos registrar esse momento na pedra da memória e do coração, onde vento nenhum do mundo pode apagar!"


Jed ainda comentou, em 15/10/16:

Amigos de verdade não precisam se falar sempre. Não precisam se visitar sempre. Nossos amigos verdadeiros são aqueles que se alegram com as nossas vitórias e são os primeiros a serem solidários em nossos infortúnios.



Turma de 1963

Links externos

Resumo do TG

Ferramentas pessoais