José Alberto Albano do Amarante

De wikITA

Nasceu no dia 13 de Novembro de 1935 em Campo Grande, atual Mato Grosso do Sul. A sua vocação para a aviação levou-o, aos quinze anos, a ingressar na Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAr), que se constituiu no marco inicial de uma brilhante carreira na Aeronáutica.

Oficial da Aeronáutica, graduou-se Cum laude em Engenharia Eletrônica no ITA em 1966.

M.Sc pela Caltech - California Institute of Technology em 1971.

Ph.D em Física pela Unicamp - Universidade Estadual de Campinas em 1973.

Após ter ocupado funções importantes em órgãos da Aeronáutica, o então Major-Aviador José Alberto Albano do Amarante assumiu, em 1972, a função de assessor científico do Instituto de Atividades Espaciais (IAE), do Centro Técnico Aeroespacial (CTA).

Embasado por um espírito fortemente nacionalista e por uma compreensão da ciência como um importante instrumento para o desenvolvimento nacional, José Alberto Albano do Amarante liderou as primeiras discussões, em 1972, sobre a formação de um grupo de pesquisa que pudesse desenvolver, no Brasil, um processo, novo no mundo inteiro, de separação de isótopos de urânio por lasers, que era uma alternativa inteiramente nacional ao processo jet nozzle oferecido pelos alemães como parte do que se constituiria no Acordo Nuclear Brasil-Alemanha.

Em 1974, é celebrado um importante Convênio entre o então Centro Técnico Aeroespacial (CTA) e a Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN). Esse Convênio, que teve José Alberto Albano do Amarante como um dos seus mais dedicados mentores, contemplava a execução de várias atividades de pesquisa e desenvolvimento nucleares e a formação de pesquisadores altamente qualificados, que foram o cerne do Programa Autônomo de Tecnologia Nuclear, o qual levou o Brasil a um alto grau de independência tecnológica nessa área.

Além de cientista renomado, o que o levou a produzir trabalhos técnicos da mais alta qualidade, José Alberto Albano do Amarante era possuidor de uma sólida visão estratégica, cujo alvo principal sempre foi o estabelecimento de uma tecnologia autóctone capaz de atender, a médio e a longo prazo, as exigências nacionais no campo aeroespacial e em outros campos de igual importância para o Brasil. Foi dessa visão estratégica que nasceu a idéia da criação de um instituto de estudos que congregasse pesquisadores de alto nível para dar suporte científico aos demais Institutos do CTA e, sobretudo, trabalhar em temas na fronteira do conhecimento.

Em 1978, foram iniciados os trabalhos de limpeza e terraplenagem do terreno localizado no km 5,5 da Rodovia dos Tamoios, com uma área de aproximadamente 50 hectares, local escolhido pelo Coronel Aviador José Alberto Albano do Amarante para a construção do que viria a ser o Instituto de Estudos Avançados (IEAv).

Em setembro de 1981, ele foi atacado por uma leucemia galopante: morreu em dez dias. Sua morte passou a ser investigada pela Aeronáutica: teria sido contaminado de propósito por radiação.

Faleceu em 3 de Outubro de 1981.

Sua morte prematura não impediu que o ritmo das obras fosse mantido e, em 2 de junho de 1982, o Presidente da República, João Baptista Figueiredo, assinava o Decreto no 87.247, criando o Instituto de Estudos Avançados.

Links externos

Resumo do TG


Turma de 1966

Ferramentas pessoais