Luiz Gustavo de Almeida Lacerda

De wikITA

Dois engenheiros eletrônicos, recém-formados pelo ITA, desenvolveram em 2002 um aparelho inédito em todo o mundo: um intercomunicador específico para quem trabalha o dia todo numa moto ou para os que curtem enfrentar os desafios das trilhas fora das cidades. Tendo como orientador o professor Geraldo José Adabo, esse foi o projeto vencedor da "Láurea Professor Lacaz Neto", em 2002 — um prêmio instituído pelo ITA desde 1996, ao melhor trabalho de graduação do ano.

Os autores da proeza são dois jovens pesquisadores — Alex Sander Schroeder de Barros e Luiz Gustavo de Almeida Lacerda, que têm muitas afinidades. Ambos são motoqueiros, têm 25 anos e concluíram o curso em dezembro de 2002. Portanto, o interesse em desenvolver um comunicador com estas características parece óbvio.

"Sou motoqueiro e como viajo muito com os amigos", conta Alex. "Há anos conversava com eles sobre a necessidade de um aparelho com o qual pudéssemos nos comunicar e avisar aos colegas sobre os perigos encontrados no caminho. A idéia era um comunicador que funcionasse sem que para isso precisássemos tirar o capacete ou estacionar a moto, o que pode ocorrer às vezes em lugares perigosos".

O novo intercomunicador é semelhante a um walkman. A diferneça fundamental é que possui um transmissor e receptor modulados em frequência (FM). Os comunicadores convencionais (do tipo walk-talk) disponíveis no mercado não são capazes de atingir um nível considerado aceitável de comunicação (mesmo a curtíssimas distâncias). Isso porque além do barulho das motos, ficam bloqueados pelo motor em funcionamento. Com o intercomunicador, esse tipo de interação será, finalmente, possível.

O intercomunicador é simples em sua concepção: um aparelho ligado ao corpo, acompanhado de microfone e fone de ouvido, que são instalados no capacete. Dessa forma, é capaz de transmitir os sinais de frequência modulada até outro equipamento semelhante, a uma distância entre 1 e 5 quilômetros.

Outra característica que torna o produto diferenciado, é o chamado "chaveamento da voz", ou seja, o motociclista não precisará acionar qualquer botão para utilizá-lo enquanto estiver pilotando.

O projeto foi idealizado e desenvolvido no período entre fevereiro e junho de 2002. A partir de junho, Alex e Luiz Gustavo iniciaram as etapas de montagem e testes, que durou até novembro passado. De acordo com Alex, o custo de cada intercomunicador ficará, em média, em R$ 200,00: "Nossa idéia era essa mesmo, fazer o aparelho com um custo o menor possível, para que pudesse atender ao maior número de pessoas".

Esse maior número de pessoas é a grande quantidade de moticiclistas espalhados pelo Brasil. Pesquisas recentes apontam que, apenas no estado de São Paulo, trafegam perto de 1,4 milhões de motocicletas. É justamente esse mercado que os recém formados do ITA pretendem atingir.

"A princípio não pretendemos vender o projeto para uma empresa. Vamos tentar fabricá-lo e comercializá-lo nós mesmos. Mas isso não quer dizer que não possamos mudar de idéia", explicou Alex que pretende iniciar nos próximos meses, ao lado do colega e sócio, a fase de apresentação do produto ao mercado para posterior fabricação.

A "Láurea Professor Lacaz Neto", do ITA, seleciona o melhor trabalho de graduação a cada ano. Os trabalhos são submetidos a uma avaliação interna em cada divisão de ensino e os cinco melhores passam ainda por uma avaliação externa, feita por uma instituição de reconhecida competência acadêmica.

No caso da avaliação de 2002, a instituição responsável foi a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Os autores, receberam prêmio de R$ 5 mil e o orientador ganhou um computador portátil, patrocinados pela empresa Litoral Engenharia de Desenvolvimento Ltda.

fonte:

http://ctjovem.mct.gov.br/index.php?action=/content/view&cod_objeto=11184


Turma de 2002

Ferramentas pessoais