Milton Naranjo

De wikITA

imagem:MiltonNaranjo.jpg

Foi chefe do CENIPA de Ago/1981 a Jan/1983.

Agraciado com a Ordem do Mérito Aeronáutico no grau de Oficial em 9 de outubro de 1972.


.

.

Despedida de um companheiro

Brig Ar Ercio Braga

O Cel Av Milton Naranjo nasceu em 16 de julho de 1933, na cidade de São Paulo. Seus pais, imigrantes espanhóis, logo se adaptaram às tradições e costumes brasileiros e aqui viveram até a sua morte. A vocação do jovem Milton para servir nas Forças Armadas, cedo se concretizou quando ingressou na Escola Preparatória de Cadetes de Campinas em 1952, transferindo-se mais tarde para a Academia Militar das Agulhas Negras. Atraído pela aviação foi para a Escola de Aeronáutica onde se formou Aspirante Aviador em 1956. Após estágio na Base Aérea de Natal, lá permaneceu como Instrutor por 3 anos. Transferido para o Primeiro Grupo de Aviação Embarcada foi classificado no Esquadrão de Helicóptero. Como piloto de helicóptero realizaria as missões que marcariam sua passagem pela Força Aérea.

Designado para integrar o contingente brasileiro, que a serviço da ONU, mantinha a paz no antigo Congo Belga, chegou àquele País em 1963. Operando helicópteros H-19 da ONU, realizou inúmeras missões de misericórdia transportando médicos e medicamentos para aldeias isoladas e distantes das cidades.

No início de 1964, a guerrilha separatista de província de Kwilu começa suas ações contra o Governo Central Congolês. Os guerrilheiros, orientados pelos governos comunistas da Rússia e da China começaram a matar os missionários e suas famílias que davam assistência religiosa e educacional para as crianças das aldeias. Com as vias terrestres totalmente bloqueadas, o Governo Congolês pediu que a ONU utilizasse seus helicópteros para a retirada dos missionários e suas famílias da zona de conflito.

Nessa situação, ficou claro que a missão do então Ten Milton Naranjo era a de salvar vidas. Após 21 dias de operação, o grupo de helicópteros retirou da zona de guerra mais de 100 pessoas algumas vezes em condições bastante adversas. Numa dessas missões, no dia 3 de fevereiro de 1964 o helicóptero pilotado pelo Ten Naranjo, tendo como Mecânico o Segundo Sargento Wilibaldo Moreira Santos realizou a primeira missão de resgate do Ministério da Aeronáutica em um Teatro de Operações ao retirar daquela área o Ten Av Ercio Braga e o Terceiro Sargento João Martins Capela Júnior, que eram tripulantes de outro helicóptero que apresentou uma pane hidráulica, impossibilitando-o de voar. Dentro de um Teatro de Operações, o resgate é a missão mais nobre e arriscada da Força Aérea.

Por todos os perigos e dificuldades que as tripulações envolvidas superaram no salvamento, o governo dos EUA e o Secretário Geral da ONU, em cartas dirigidas ao Governo Brasileiro, elogiaram a coragem e a competência das tripulações brasileiras. O Ministério da Aeronáutica outorgou a essas tripulações a Medalha da Ordem do Mérito Aeronáutico.

Após o regresso da missão no ex-Congo Belga, o Major Naranjo ingressou no ITA em 1966 concluindo o curso de Engenharia Aeronáutica em 1970. Classificado no CTA, dedicou-se a tarefa de homologação de aeronaves, tornando-se um dos principais mentores do acordo com os EUA que viria facilitar bastante a venda de aeronaves fabricadas pela EMBRAER.

Como coronel, foi nomeado Comandante da Base Aérea de Florianópolis onde, por ocasião das enchentes no Estado de Santa Catarina, teve a oportunidade de cumprir pela segunda vez, a missão de salvar pessoas em dificuldade. Como resultado da missão realizada por ele e seus subordinados, recebeu de um dos milhares de catarinenses socorridos pela FAB, a seguinte carta:

"ILMO SR. CEL NARANJO

COMANDANTE DA BASE AÉREA DE FLORIANÓPOLIS

Em,10 de dezembro de 1984.

Senhor Comandante

O momento atual é de mandar tradicionais CARTÕES NATALINOS, desejando mil coisas. Urge, entretanto, que na transição do tempo e da política, registre-se a admiração a um homem que no desempenho do seu Comando, fez de sua missão um exemplo de liderança e humanismo.

Por duas vezes Blumenau esteve submersa, por duas vezes a FORÇA AÉREA BRASILEIRA acudiu aquela gente. E não foi só Blumenau, mas ao redor de 60% dos municípios catarinenses.

Conheci pessoas, que cumpriam tão somente suas obrigações e pronto. O Comando da Base Aérea de Florianópolis abraçou a causa catarinense e a ela dedicou-se de corpo e alma, fazendo de suas missões, um ato admirável de misericórdia e compaixão.

Quando se fala, pois, de Boas Festas, Feliz Ano Novo e Festas de Fraternidade, vejo no militar e no ser humano que comanda a Base Aérea de Florianópolis e representa a FAB em nossa terra, o verdadeiro Papai Noel, fora de época, mas no momento certo: com suas hodiernas renas os helicópteros, não com sinos, mas com rotores e corações, levando embrulhos e pacotes de salvação.

Esta carta é de ordem pessoal, mas se a quiser transformar, em Mensagem àqueles que junto com o seu Comandante, se multiplicaram em outros Papais Noeis de Azul, pode fazê-lo,eis que assim os vejo. Um abraço fraternal, de um estranho que muito o admira, pelo que faz acima de sua missão.

Bom Natal, Papai Noel Azul dos Catarinenses

ENO JOSÉ TAVARES."

A essa altura, Deus já deve ter designado o Cel Av Milton Naranjo e o Cel Av João Carlos Berto para homologarem as trajetórias dos cometas que, certamente, melhorarão suas órbitas e voarão com uma cauda verde e amarela.

Obs.: Eu hoje estou aqui porque ontem ele estava lá.

O Comando da Aeronáutica instituiu o dia 3 de fevereiro como o dia da Aviação de Asas Rotativas


Turma de 1970

Ferramentas pessoais