Sérgio Gomes de Oliveira

De wikITA

(Diferença entre revisões)
 
Linha 26: Linha 26:
Mora em São Paulo, tem 2 filhas e duas netas.
Mora em São Paulo, tem 2 filhas e duas netas.
 +
 +
==Crônica==
 +
 +
8 de out de 2019
 +
 +
Nesta semana de entrega de prêmios Nobel, nós brasileiros, possuídos de tantas incertezas, nesse assunto estamos absolutamente tranquilos e invictos. Nunca fomos agraciados com qualquer uma dessas diversas homenagens ao longo do tempo. Nem na literatura ou na paz, nas quais são agraciados personagens sem passagem pelas melhores universidades e institutos de pesquisa, jamais conseguimos nada. Aguardamos com tranquilidade a premiação dos outros exatamente como o Avaí ou o Botafogo no campeonato nacional. Como me sinto diminuído com essa situação, acho que devemos desenvolver uma campanha para que a Academia Sueca institua um prêmio para o jurista do ano, assim quem sabe teremos a honra de um desses prêmios, nos casos em que leva 115 anos para se saber quem é o proprietário de um imóvel, ou se anule julgamentos por excesso de provas, ou mesmo que o advogado de defesa não fale por último para dizer que o acusado é perseguido e que não contesta as provas. Peço vênia, respeitando os amigos que divergem desta proposta, mas acho que a proposta para  prêmio a um político populista não tem o charme de um jurista cheio de frases em latim para inocentar corruptos de toda espécie. Eu ficaria orgulhoso, por exemplo, de ver um Celso de Mello, o nosso decano no STF, agradecendo a honraria em breve discurso de 4 horas citando o saudoso Rui Barbosa, deixando o Fidel Castro se contorcendo no túmulo de inveja.
</div>
</div>
----
----

Edição atual tal como 10h38min de 10 de outubro de 2019

1963
20/12/10
No Jubileu, 11/2013
Pelo colega Nivaldo

Nasceu em 7/5/38. Formou-se em 1963 em Engenharia Aeronáutica – Produção. Fez parte da equipe de futebol da sua turma.

Após a formatura, trabalhou no ITA como instrutor na área de estatística e pesquisa operacional. Em 1965 passou para o GEIPOT Grupo Executivo de Integração da Política de Transporte, ligada a vários ministérios, trabalhando junto ao Banco Mundial. Em 1967 passou para o grupo Montreal, tendo tomado parte na área de estudos de viabilidade econômica da implantação do Metrô de São Paulo, entre outros. Em 1973 foi para área de sistemas do UNIBANCO. Em 1975 tornou-se gerente financeiro, posteriormente diretor da ZARVOS Imóveis. Em 1982 passou para a Elebra Microeletrônica, administrando os contratos de tecnologia e posteriormente tornou-se controller dessa empresa e da Elebra Comunicação de Dados. Em 1989 foi para o Grupo ITAÚ (Itauplan e Itautec), trabalhando em várias áreas. Em 1997 entrou por concurso público na Secretaria de Finanças do município de São Paulo, como auditor fiscal, onde se aposentou em 2004.

Atualmente (2015) é um estudioso de história, principalmente da 1ª guerra mundial e da Guerra Civil Espanhola. É cinéfilo, tendo mais de 900 filmes em DVD que gravou e editou em parte. Adora futebol e acha que entende do mesmo.

Mora em São Paulo, tem 2 filhas e duas netas.

Crônica

8 de out de 2019

Nesta semana de entrega de prêmios Nobel, nós brasileiros, possuídos de tantas incertezas, nesse assunto estamos absolutamente tranquilos e invictos. Nunca fomos agraciados com qualquer uma dessas diversas homenagens ao longo do tempo. Nem na literatura ou na paz, nas quais são agraciados personagens sem passagem pelas melhores universidades e institutos de pesquisa, jamais conseguimos nada. Aguardamos com tranquilidade a premiação dos outros exatamente como o Avaí ou o Botafogo no campeonato nacional. Como me sinto diminuído com essa situação, acho que devemos desenvolver uma campanha para que a Academia Sueca institua um prêmio para o jurista do ano, assim quem sabe teremos a honra de um desses prêmios, nos casos em que leva 115 anos para se saber quem é o proprietário de um imóvel, ou se anule julgamentos por excesso de provas, ou mesmo que o advogado de defesa não fale por último para dizer que o acusado é perseguido e que não contesta as provas. Peço vênia, respeitando os amigos que divergem desta proposta, mas acho que a proposta para prêmio a um político populista não tem o charme de um jurista cheio de frases em latim para inocentar corruptos de toda espécie. Eu ficaria orgulhoso, por exemplo, de ver um Celso de Mello, o nosso decano no STF, agradecendo a honraria em breve discurso de 4 horas citando o saudoso Rui Barbosa, deixando o Fidel Castro se contorcendo no túmulo de inveja.


Turma de 1963

Links externos

Resumo do TG

Ferramentas pessoais