Sebastião Roberto de Queiroz Tavares

De wikITA

Transcrito da Folha de São Paulo em 21 de junho de 2011

O engenheiro Sebastião Roberto de Queiroz Tavares dizia não ter voz para cantar, mas entrou para um coral por incentivo da mulher e percebeu que tinha lá suas virtudes. Nos últimos 11 anos, integrou um trio de cantores.

Era o tenor no grupo Amor e Seresta, no qual cantava com a mulher, Ilka, e uma amiga. O conjunto fazia trabalhos voluntários e se apresentava em asilos e hospitais.

O canto acabou virando sua paixão, ao lado da astronomia e da computação.

De família humilde, Sebastião nasceu em Salvador (BA). Por ser bom aluno, acabou chamando a atenção de um professor, que o ajudou a conseguir uma bolsa para um cursinho preparatório para o ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), em São José dos Campos (SP).

Passou no vestibular e, para se manter, começou a dar aulas. Durante a ditadura, quando faltava um ano para terminar o curso de engenharia eletrônica, foi expulso da faculdade por participar de um grupo de discussão das ideias de Mao Tsé-tung.

De 1964 a 1975, 21 alunos foram expulsos da instituição por questões políticas.

Sebastião transferiu-se para outra faculdade e conseguiu se formar. Mas voltaria ao ITA depois como professor, lembra a mulher. Segundo ela, o marido também lecionou na Escola da Computação, que ficava dentro do Instituto de Aeronáutica.

Em São Paulo, passou por empresas como a Sharp e deu consultoria. Nos últimos tempos, trabalhou no Banco do Brasil, onde se aposentou.

Morreu no domingo, 19 de junho, aos 64 anos, de câncer de pâncreas. Deixa três filhos.


Turma de 1971

Ferramentas pessoais