Sequestro da menina Thabata

De wikITA

Em 18 de fevereiro de 1987, dois iteanos ex-moradores do AP 240, invadiram uma casa em Mogi das Cruzes e pegaram a menina Thabata como refém. A mídia deu muita atenção a isso por um tempo. O repórter Gil Gomes chamava o ITA de Instituto de Treinamento de Assassinos.

A história do que realmente aconteceu permanece um mistério.

Uma das inúmeras versões conta que um dos rapazes, que se chamava Pascoal Katsumi Ishii, mexia com contrabando do Paraguai, muito comum na época por causa da reserva de mercado.

Pascoal vendeu computadores para Antônio Luiz de Aragão, um professor de natação, casado com a filha do dono da Viação Eroles, de Mogi das Cruzes. Este professor não pagou o combinado.

Pascoal e o sócio dele, o Eiji Ishisaki, também iteano, foram cobrar a dívida. Começou uma discussão e eles acabaram num quarto da casa com a filha do professor de natação como refém. Isso caracterizou o seqüestro, que durou várias horas.

O capitão Conte Lopes, policial militar de São Paulo, metido a exterminador de bandidos, resolveu entrar na história, indo até o local, invadindo a casa e matando os dois, quando eles já estavam se entregando pacíficamente.

A versão oficial é que ambos foram mortos porque reagiram à voz de prisão.

O apartamento 240 foi lacrado pelo “Divisor de Alunos” (na época o Ten. Donizzeti) e o fato foi investigado pela Aeronáutica. O PM que comandou a operação virou “herói” e inclusive é deputado estadual em São Paulo até hoje.

Thabata morreu em 18 de março de 2007 em um acidente na Via Dutra, quando o carro que dirigia se chocou com um ônibus da Viação Pássaro Marrom.

media:O caso Thabata.flv


História do ITA 1981 a 1990

Ferramentas pessoais