Strip-tease: a verdade nua, porém de calcinha

De wikITA

(...ou 89, a Turma que não se formou!)

Num prenúncio do que estaria por inundar os lares brasileiros em alguns anos, seja pelas telenovelas ou pelos filmes de Hollywood, a turma 89 resolveu comemorar a sua festa de 100 dias com um show de STRIP-TEASE. Esta tendência da turma à sacanagem já havia sido manifestada no show do bixo em 1985 quando, num dos quadros, um personagem chamado "padre alemão" fez um sermão com algumas obscenidades, o que causou grande comoção entre as famílias presentes.

A idéia do STRIP-TEASE foi lançada em uma assembléia geral da turma. Ninguém levou a sério a não ser um dos coordenadores da festa, que deixou o dinheiro reservado.

A noite (e a madrugada) comemorativa aos 100 dias da turma 89 foi tradicional: bebidas, som, fogos, trotes de despedida e elogios aos professores carrascos. No dia seguinte, logo após o almoço, alguns colegas trouxeram a artista paraguaia (Jô) ao H15. Lembro que um deles chegou esbaforido - "Cadê o pessoal? Ela está aí! Ela está aí!".

A Demi Moore joseense necessitava de um ambiente à altura para exibir seus dotes. Uma passarela, feita com mesas do H15 em formato de um grande retângulo, foi montada logo após a entrada, do lado direito, de frente para as janelas.

A audiência acompanhou, compenetrada, o evento (inclua-se aí o bixaral e até os taifeiros, um tanto quanto surpresos)! Não houve nenhuma tentativa de interromper o show, nem violência e nem mesmo a tradicional "guerra de comida": nesse ponto, poderia-se dizer que quase foi um evento familiar!

O STRIP-TEASE não foi total: por motivos de segurança (?) a artista não retirou a calcinha. Isso foi lembrado durante a repressão que se sucedeu: um colega tentou renomear o "evento" de "Strip-Tease" para "Topless", na esperança que fosse diminuir o prejuízo.

No dia seguinte os militares cercaram o H15 exigindo crachá dos alunos para entrar no refeitório. Como os alunos nem ao menos carregavam os crachás no bolso, formou-se um grupo de famintos revoltados em frente ao H15, paralisando todo o trânsito. O grande erro foi um colega nosso ter ido ao telefone chamar um repórter do Vale Paraibano. Se aquele repórter não tivesse entrado no CTA, tirado fotos das tropas, a situação não teria se complicado tanto a ponto de ter caído o reitor, cancelar a festa de formatura, etc... (Manchete na Folha de São Paulo: Strip Tease derruba reitor do ITA).

Curiosamente, a Jô foi fácilmente reconhecida pelos taifeiros que trabalhavam no H15. Memória fotográfica, serviço de inteligência da Aeronáutica perfeito, ou militares profundos conhecedores da vida noturna do Vale do Paraíba??

Um Inquérito Policial Militar foi instaurado para descobrir os organizadores do evento. Vários alunos foram ouvidos e, apesar da utilização de astutos métodos de interrogatório, ninguém foi identificado, sendo atribuída total responsabilidade à turma. Isso evitou que alguém fosse expulso, às vésperas de receber o diploma...

A Reitoria decidiu cancelar a formatura oficial, e enviou cartas aos pais dos alunos comunicando esse cancelamento, e informando os motivos. Como diriam alguns; "melhor uma ação disciplinar nas mãos que dois diplomas voando!".

Foi organizada uma formatura "paralela" num clube de São José, à qual nossos colegas milicos foram proibidos de comparecer.

...e a artista?? Segundo alguns colegas japoneses, ela mudou-se da casa onde trabalhava (Green House) para local ignorado.


Página principal

Ferramentas pessoais