Tércio Pacitti

De wikITA

Nasceu em Piracicaba, SP, onde realizou seus estudos básicos no Colégio Piracicabano. Graduou-se engenheiro aeronáutico pelo ITA, em primeiro lugar da turma de 1952, tendo feito o mestrado (1961) e o doutorado (1971) pela Universidade da Califórnia em Berkeley.

Um dos maiores nomes da informática brasileira, escreveu vários livros na área, com destaque para o Fortran Monitor, que de 1967 a 1987 vendeu 250 mil exemplares no país, e Do Fortran à Internet, retrospecto de sua vida e da informática no mundo, já em sua terceira edição. Lançou em 2006 Paradigmas do software aberto, seu mais recente trabalho.

Liderou a introdução da informática no ITA, na Aeronáutica, na COPPE-UFRJ e na UNIRIO. Foi Reitor do ITA de 1982 a 1984, e criou o curso de Engenharia da Computação.

Seu último posto no Comando da Aeronáutica, como Major-Brigadeiro Engenheiro foi a chefia da Diretoria de Engenharia, em 1986 e 1987, época em que também presidiu a ADESG. Foi presidente do Conselho de Informática do Estado do Rio de Janeiro de 1987 a 1990. Pertenceu à Academia Nacional de Engenharia e foi consultor científico da presidência da Consist.

Recebeu em 1996 o Prêmio Excelência em Software concedido pelo Centro Internacional de Tecnologia em Software (CITS) e, em 1998, a Grande Cruz do Mérito Científico, concedido pelo Presidente da República.

Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico - Presidente da República do Brasil - Mar/1998

Seus dois filhos também são iteanos: Tércio de Castro Pacitti, engenheiro de infra-estrutura aeronáutica da Turma de 1986 e Marcos de Castro Pacitti, engenheiro eletrônico da Turma de 1990.

O Brig. Pacitti faleceu no dia 18/6/14, no Rio de Janeiro.

Depoimentos de seus alunos

Valdemar W. Setzer (ELE-63), em 19/6/14:

Em 1962, no meu 4º ano, fui aluno do então “Cap. Pacitti”, como estava no crachá que ele usava, na disciplina CEA-46 Técnicas Digitais. Foi a matéria que mais gostei em todo o curso. O prof. Pacitti, sempre sorridente, irradiava bondade e interesse pela matéria e pelos alunos. Até hoje guardo o caderno de anotações das suas aulas. Folheando-o, vejo como ele apresentava os assuntos de maneira interessante e profunda. Sua influência foi absolutamente decisiva para a minha vida profissional acadêmica na ciência da computação. Tenho até mesmo a impressão de que meu destino me levou ao ITA somente para ter contato com ele. Ele me ligou algumas vezes, para que eu lhe contasse a história do Zezinho, o primeiro computador construído no Brasil, objeto de trabalhos de formatura (os então TIs), que pretendia inserir em um de seus livros. Deixou muitas saudades.

Luiz Pinto (ELE-63), em 19/6/14:

Conheci Tércio Pacitti em 1962, quando eu era aluno do quarto ano do curso de Engenharia de Eletrônica do ITA e ele era professor. Na época, ele era capitão da Aeronáutica. Se minha memória não me falha, foi o único professor militar que tive em todos os cinco anos de ITA. Pacitti foi também o primeiro militar a ser Reitor, de 1982 a 1984, após um total de dez reitores civis. Quando decidiram nomeá-lo reitor do ITA, houve quem lhe recomendasse militarizar totalmente a escola. Pacitti, evidentemente, não fez nada disso. Até, para legitimar sua indicação como reitor, fez questão de submeter seu nome à Congregação do ITA para aprovação, o que realmente ocorreu.

No meu tempo de aluno, ele dava o curso (atualmente chamado “disciplina”) de “Técnicas Digitais”, que valia como uma espécie de introdução à eletrônica digital e, consequentemente, aos computadores. As aulas do Pacitti eram boas e agradáveis. O que é uma “aula boa”? Como eu separei “agradável”, boa deve ser algo além do que é, de alguma forma, prazeroso para o aluno. Entendo por boa a aula que ensina, e não a que meramente cumpre a função burocrática de “dar a matéria”. A aula do Pacitti era agradável e boa porque ele era simples em sua forma de dirigir-se aos alunos, direto na exposição da matéria, claro nas explicações, coloquial no falar e lógico no que explicava. E porque eu aprendi.

No curso (disciplina!) de Técnicas Digitais, ele nos proporcionou, além da teoria, um laboratório baseado diretamente no computador IBM 1620, na época recém-adquirido da IBM e trazido por ele dos Estados Unidos por meio de uma complicada operação em que o equipamento teve que ser classificado como de segurança nacional para evitar excessos de burocracia... No laboratório, tivemos algumas noções de programação em linguagem de máquina e aprendemos a programar em FORTRAN.

Falando em FORTRAN, lembramos que foi o Pacitti quem escreveu o primeiro livro brasileiro sério sobre programação de computadores, “Fortran Monitor”, publicado a primeira vez em 1967 e usado por muita gente para aprender programação. Pois apesar de já um tanto antigo, o primeiro livro do Pacitti ainda é conhecido. Quando eu era professor da UFF, dividia minha sala com a Profa. Maria Luiza D’Almeida Sanchez. Uma vez, aí por 2006 ou 2007, ela estava atendendo a um de seus alunos orientados de tese de mestrado (não lembro o nome do aluno). O aluno era, naturalmente, bem mais jovem que eu e que a Maria Luiza. Por algum motivo que também não lembro, achei de perguntar se ela lembrava do Pacitti. Antes que ela respondesse, o aluno disse: “Ah, o grande Pacitti!” e depois saiu a comentar sobre o livro Fortran Monitor que, segundo ele, todo mundo tinha usado para aprender a linguagem Fortran...

Tenho a relatar um episódio ocorrido entre mim e o Pacitti na ocasião do curso. Quando, já no quarto ano do ITA, comecei a frequentar as aulas do Pacitti, fiquei felicíssimo porque ia abrir meus horizontes numa direção ainda não explorada por mim, que era o reino digital, que levava, inclusive, aos computadores. Mas quando ele explicou o mapa de Karnaugh, achei, de início, uma complicação desnecessária. Eu gostava de “craniar” circuitos; para quê, então, aquela aparente artificialidade de ter que fazer um “mapa” para sintetizar um circuito digital? Num exercício passado pelo Pacitti, improvisei, sem o mapa, uma solução que, obviamente, ficou não otimizada (a finalidade do mapa de Karnaugh é obter o circuito que faz exatamente o que se deseja com máxima economia, ou seja, usando o mínimo de recursos). Obviamente, tirei uma nota baixa. Antes de registrar a nota baixa, porém, o Pacitti me chamou e, em tom amigo e paciente, comentou sobre o fato de eu não ter usado o mapa. Tentei justificar-me meio desajeitadamente, e ele então me explicou a real utilidade do mapa de Karnaugh. Refiz o exercício e pude tirar uma nota boa.

Links externos

  1. CV no Sistema de Currículos Lattes
  2. Galeria de Reitores do ITA. Portal do ITA.
  3. Reitores e Vice-reitores do ITA. Portal do ITA.
  4. Especial da Unirio sobre Tércio Pacitti

Turma de 1952

Professores do ITA

Reitores do ITA

História do ITA

Academia Iteana de Letras

Ferramentas pessoais