T63-Amadeu-Reconhecimento

De wikITA


(Em outubro de 2016 houve uma troca de e-mails no grupo Itaturma63 sobre se teria sido possível reconhecer o Amadeu no desenho feito pelo colega Nivaldo, se este não tivesse contado quem retratou. Aí o Amadeu comentou com a seguinte crônica.)

RECONHECIMENTO

Esse assunto de reconhecimento de fisionomias é comigo mesmo!

Alguns anos após nossa formatura eu estava com meus filhos num clube quando vi o “Xismit”. Fui falar com “ele”, mas não era o próprio. Devia ser o “X²mit”. Depois eu pensei, ora bolas se o apelido dele já indicava que sua aparência era igual a de outra pessoa [o colega Schmidt, da T60) faz muito sentido existirem “n Xismits”.

Em 1972 eu mudei de bairro em São Paulo. Vi o “Prof. Crispim”, encarnado no meu vizinho de frente, e fui falar com ele:

–"Como vai, professor? O senhor não está mais no ITA?"

–"Desculpe mas eu nunca fui professor", me respondeu.

Em torno de 1985 eu fui a Tóquio e num sábado entrei num restaurante para almoçar. Eu era o único ocidental naquele salão. Próximo de minha mesa vi um japonês (parecia o Yoshida) que trabalhava na Motoradio. Aí me lembrei dos casos do “Xismit” e do “Prof. Crispim” e raciocinei: eu sou o único ocidental neste lugar, se esse cara fosse o Yoshida ele já teria me reconhecido. Não fui falar com ele mas gravei a imagem da cena na memória. Vinte anos depois, reconheci o Yoshida verdadeiro no Chile – reconheci pela sua voz – ele estava completamente diferente: gordo e careca. A primeira coisa que perguntei foi se ele havia estado em Tóquio naquela época. Ele disse que nunca havia viajado ao Japão. Só então eu fiquei sossegado e nunca mais procurei comparar as pessoas pela aparência, mas agora procuro comparar pela voz.

Vocês já pensaram em caricaturizar a voz das pessoas? Não vão tentar?


Álbum literário da T63

Turma de 1963

Ferramentas pessoais