T63-Setzer-Carinho

De wikITA

Carinho

Carinho!
Ele é como uma plantinha
que deve ser periodicamente regada
pois não há vida sem água.

Mas, contrariamente à plantinha,
regada de vez em quando,
carinho deve ser constante,
ocorrer a todo instante.

É uma demonstração
de apreço,
de atenção,
da importância do outro,
de carinhoso amor!

Regando-se uma plantinha
ela cresce, fica viçosa.
Em seu ciclo imutável
dá flor e semente que
plantada,
regada,
gera uma nova plantinha.

Assim é o carinho
que, cultivado
gera mais carinho,
que, dado
pode ser correspondido.

Mas, da plantinha diferente,
ele exige uma ação consciente;
além disso loguinho
aparecem os frutos do carinho.

Porém, só o ser
querido, amado,
merece carinho?

Não, todas as pessoas deveriam
receber nosso carinho.
Se todos fôssemos carinhosos
com todos os outros,
teríamos paz.
Ódio,
inveja,
brigas,
guerras
findariam!

É fácil ser carinhoso
com nossos queridos,
com quem se conhece bem,
com quem encontramos com frequência.

Mas como fazer carinho
a uma pessoa desconhecida
fortuitamente encontrada?

Percebamos que ela existe,
que é uma individualidade,
diferente de todas as outras
com infinitas e interessantes vivências,
quem sabe necessitando de
carinho?

Nesse caso, usemos esse Mistério, a
Palavra,
que está na origem de tudo,
pois por detrás de cada palavra há um
Pensamento,
que é a essência de tudo.

Ao encontrarmos um desconhecido
ou pouco conhecido,
iniciemos com um sorriso,
um olhar carinhoso,
e procuremos com ele falar,
por ele nos interessar,
com ele nos preocupar.

Se ele corresponde
e responde,
nosso gesto pode
tornar-se e irradiar
carinho.

A plantinha necessita de água.
Será que todo ser humano
não necessita de
carinho?


V.W. Setzer
16/4/17
(Com agradecimentos a Sonia A.L. Setzer por várias sugestões.)


Álbum literário da T63

Turma de 1963

Ferramentas pessoais